sábado, 1 de janeiro de 2022

A intelectualidade do garanhuense João Marques

Altamir Pinheiro*

Além de ser abençoada pela Mãe Natureza, Garanhuns (distante 25 KM de Capoeiras)  é uma cidade privilegiada pelas manifestações humanas de ordem comunicativa que denominamos de artes. Aliás,  já dizem os artistas que a arte é um reflexo do ser humano e muitas vezes representa a sua condição social e essência de ser pensante. Em nosso caso apesar de pertencermos a  uma Garanhuns desprovida de ostentação, mesmo assim,  ela   se destaca através do talento de seu povo com  habilidade na poesia, música, folclore, jornalismo, teatro e principalmente na literatura, pois sempre foi abastada de bons músicos e escritores. Dentre tantos que tivemos, hoje, o destaque maior  ou merecido vai para o filósofo, pesquisador, escritor, poeta, músico e compositor garanhuense JOÃO MARQUES (foto). Para se ter ideia do chamado cabeça pensante que é ou se apresenta  este intelectual, hoje, setentão,  ele é exposto à mostra como sendo  nada mais nada menos  que o autor do hino de Garanhuns (letra & música), que no dizer do também poeta de mão cheia, Gonzaga de Garanhuns, ao afirmar categoricamente que só existem três hinos bonitos no mundo: o hino nacional brasileiro, o de Pernambuco e o hino de Garanhuns. Nem a Marselhesa francesa bate de frente com estes três hinos, diz Gonzaga.

Quem se atreve a ter um dedo de prosa com João Marques,  por pouco tempo que seja, percebe de imediato a sua perceptibilidade cultural, além da lucidez latente e de uma inteligência perspicaz, àquela que enxerga ou vê longe por ser uma pessoa de visão larga. Neste campo específico, donde,   a natureza lhe ofertou  um cérebro privilegiado, pois  ele é possuidor de um QI avançado por  se somar com a inteligência linguística em razão de ter  facilidade em se expressar, oralmente ou  através da escrita; na inteligência musical ele tem a destreza ou desembaraço   de criar músicas ou harmonias inéditas   como é o caso do Hino de Garanhuns e arremata com sua inteligência intrapessoal por ser dotado de um senso observador em analisar, compreender ou exercer influência sobre as pessoas, mas de maneira mais subjetiva, utilizando IDEIAS e não ações...

No campo da memória, João Marques é um bem dotado. Como se diz no popular: ele tem memória de elefante, pois lembra-se e nos conta “causos” do arco da velha numa precisão milimétrica, tanto de   datas quanto de  tempo e espaço como se fossem hoje, além de ser   um “expert” em suas reminiscências amorosas, trabalhistas, fotográficas e culturais... Como dizem os estudiosos, quanto mais alto o nível de inteligência de uma pessoa atrelada a uma boa memorização dos fatos corriqueiros,  maior a chance de ela ter uma vida mais longa. Pois muito bem, com a descoberta dessa faceta inesperada da longevidade pelos cientistas e profissionais da saúde, tranquilamente, João Marques ultrapassará a barreira da casa   dos 100.

Por ter a responsabilidade de se comportar como escritor, João Marques é um grande gramaticólogo. Conhece todas as nuances e o modus operandi da gramaticologia ou da gramática portuguesa propriamente dita. Quem observa bem a letra do Hino de Garanhuns escrita por João Marques percebe que ele é adepto da língua CULTA e não coloquial. As estrofes do hino têm uma  adequação linguística colossal. Em que pese, nossa pátria(diferente de Portugal), as palavras apressadamente   envelhecem e caem  como folhas secas, porém a gíria não pegou João Marques. Pois ele ainda teima em usar a primeira pessoa, tanto do singular como do plural do que a gíria “A GENTE”.  Apesar de, a própria linguagem corrente vai-se renovando e a cada dia que passa uma parte do léxico cai em desuso. A Internet que o diga!!!

Outra faceta desconhecida e que passa despercebida  por muitos que os cerca é o seu poder de mediunidade. Ou seja, particularidade ou dom de médium. João Marques é uma pessoa detentora de dons que supostamente lhe permitem conhecer coisas, dados e determinadas  ocorrências  por meios sobrenaturais. Diga-se de passagem, ele é um profundo pesquisador da doutrina filosófica do espiritismo. Allan Kardec, fundador do espiritismo e maior estudioso da mediunidade que já existiu, em seus livros e estudos  rezam que: “A capacidade para ser médium espiritual é algo inerente a qualquer pessoa”...  O autor do Hino de Garanhuns tem um grau de intensidade bastante  acentuado no que diz respeito aos preceitos da mediunidade.

Por fim, a capital do Agreste Meridional, conhecida como  Suíça pernambucana, ao longo de sua história centenária teve a honra de ser gravada pelos mais diversos cantores, violeiros  e trovadores dos mais diversos rincões. Do cordelista Gonzaga de Garanhuns ao maior cancioneiro nordestino que foi Luiz Gonzaga de Exu; dos Vocalistas da Saudade (Ai, Garanhuns, Terra das flores) ou Augusto Calheiros (Adeus, Pernambuco tão guerreiro / Garanhuns hospitaleiro / Terra onde eu vivi / ... ),  a Onildo Almeida (Onde o Nordeste Garoa); sendo ainda eternizado em verso & prosa e sanfona pela voz do  seu filho ilustre, Dominguinhos. Garanhuns teve vários hinos belos e impactantes compostos por esses monstros sagrados da música regional e local, porém todos são “oficiosos”.  Pois,  de caráter OFICIAL só existe um: Salve, Garanhuns!!! Os jardins, as palmeiras e alguns pedaços do céu... Mãos divinas!!! Salve as sete colinas!!!

*Jornalista, cronista e historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O alfaiate de Garanhuns

João Marques* Luiz Gonzaga cantava uma música que dizia "Sou alfaiate do primeiro ano / Pego na tesoura e vou cortando o pano". Is...