quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

Capitão Américo Ferreira de Melo

Em 1882 Brejão era uma pequena vila, Américo Ferreira de Melo era um homem jovem e já morava por estas terras. Em 1900 ele passou a ser delegado nomeado pelo Dr. Luís Afonso de Oliveira Jardim. Certo dia o capitão sonhou que próximo a um pé de pitomba que havia por trás da Vila, estava enterrada uma cruz. No outro dia encucado ele chamou sua gente e foi ao local, encontraram a terra rachada e acharam estranho, então curiosos começaram a cavar e encontraram a cruz.

Capitão Américo foi chamar o Bispo em Garanhuns e retiraram a cruz e a colocaram na igreja, o bispo a benzeu e denominou a Vila de Brejão de Santa Cruz. Todos os domingos ele mandava buscar o padre para celebrar a missa. 

Em 1906, no domingo quando terminou a missa, o padre foi almoçar na casa do capitão, ele havia deixado o cavalo amarrado por trás da igreja. Idalino, filho do capitão foi dá uma olhada no cavalo e para a sua surpresa, o animal havia sumido. Idalino retornou espantando e disse: roubaram o cavalo. Américo ficou aperreado e chamou o Tenente Venâncio que era um grande rastreador e disse vá em busca do ladrão e o tenente disse, só não garanto chegar apressado, então disse Américo: - Venha quando puder, mas traga o ladrão. 

O tenente Venâncio viajou por dois dias e chegou com o ladrão. O Capitão perguntou ao ladrão porque você fez isto? Mim faltou com respeito! Mas muito generoso perguntou se o ladrão estava com fome e mandou preparar uma janta reforçada, o pobre coitado foi comer e morreu engasgado com um osso. E foi este o começo da perseguição aos ladrões, pois era um justiceiro, e não suportava ladrões, mas a sua maneira de resolver as coisas não agradava a alguns fazendeiros e foi muito perseguido.

Os métodos que ele usava como justiceiro amedrontaram até Lampião, que mandou avisar que o povo de Brejão arranjasse 20 contos de réis que ele estava vindo e o capitão Américo disse que ele podia vir que o estava esperando. Sabendo o cangaceiro da fama de Brejão e dos muitos capangas do capitão passou para Bom Conselho, não quis encarar o capitão Américo.

Em 1887 recebeu a patente de Capitão da guarda Nacional. Foi o fundador da cidade de Brejão. Faleceu em 12 de fevereiro de 1943 com 99 anos.

Relatos feitos por Manoel Ferreira de Melo nascido em 17/04/1896 (primo do capitão Américo).

Entrevista concedida pelo saudoso Gerson Alves dos Santos em 1990.

O Capitão Américo Ferreira de Melo foi um grande defensor da Família Mochileira, tornou-se um grande Patrono dessa Família na região de Brejão.

Fonte: http://brejaofatosefotos.blogspot.com.br/2011/10/biografia-do-capitao-americo-ferereira.html

Foto: Capitão Américo Ferreira de Melo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Concurso Prefeitura de Paranatama – PE: 180 vagas imediatas; até R$ 8 mil

Já está em andamento o concurso da Prefeitura de Paranatama, que oferta 180 vagas imediatas, com ganhos na faixa entre um salário-mínimo e R...