quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

Casa de Taipa



(Fotos: Anchieta Gueiros)
Paulo de Melo - O Poeta da Natureza

Casa de taipa a beira da estrada

Onde nasci e me criei com meus irmãos

Um recanto tão lindo no sertão

Que lembro até hoje com saudade

Em me criei em mundo sem maldade

Cavalgava em veredas junto ao gado

E do meu carro de boi estou bem lembrado

Da cantoria que fazia Seu Cocão

Guardo até hoje dentro do meu coração

Boas lembranças que eu tenho do passado

A vida simples que levava o sertanejo

Tinha desejos, mas vive a realidade

O mundo hoje completo de vaidade

Que até o sertanejo já perdeu a inocência

Já se envolveu e assinou sua sentença

Eu relato esse fato comprovado

O mundo que nasci como está modificado

Nem parece, mas o meu velho sertão

Guardo até hoje dentro do meu coração

Boas lembranças que eu tenho do passado

Fui pescador e caçava todo dia

Desde de pequeno aprendi a sobreviver

Entre serpente e espinho, consegui vencer

Muito mais fácil que hoje na modernidade

O mundo hoje cheio de imbecilidade

Sem humildade e um povo mal educado

Doentes, depressivos e retardados

Sem respeito, matando a próprio irmão

Guardo até hoje dentro do meu coração

Boas lembranças que eu tenho do passado

Casa de taipa a beira da estrada

Onde vivi no meu lindo sertão

Guardo até hoje

Dentro do meu coração

Boas lembranças

Que eu tenho do passado

Garanhuns / 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...