segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Certa vez o Monsenhor Adelmar da Mota Valença falou...


"Garanhuns nada me deve; ao contrário, devo tudo a Garanhuns. Devo-te tanta, tanta coisa, Garanhuns, sobretudo o maior tesouro que me deste - a graça da vocação sacerdotal. Tu fazes, Garanhuns, parte da minha vida, desde aquela tarde chuvosa e fria de maio de 1913, quando aqui cheguei." Mons. Adelmar da Mota Valença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...