quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Dr. Jule Spach, nova era para o Quinze de Novembro de Garanhuns


Marcílio Reinaux*

Os Smits deixaram o trabalho do Colégio Quinze de Novembro no final de 1955. Nos albores do ano seguinte, o Colégio tenderia a marcar uma nova era da sua já brilhante história, contada por páginas inolvidáveis, amealhada com o comportamento de grandes mestres, que se tornaram verdadeiros vultos do ensino no interior do Estado e da Região. Assumiu a direção em 1965 o Dr. Jule C. Spach, cujo trabalho de escol elevou bem alto o conceito do Colégio. Sob o seu comando o Quinze ganhou uma dimensão, que Urbano Vitalino lembra muito bem, com o poeta Cruz e Souza, ao dizer: "Sorrindo a céus que vão se desvendando, a mundos que vão se multiplicando, a portas de ouro que vão se abrindo".

O Quinze do Dr. Jule Spach foi aquele Colégio voltado para a máxima da premissa greco-romana: "mens sana in corpore sano", oportunidade em que as atividades sócio esportivas foram grandemente prestigiadas e o colégio experimentou dias gloriosos da sua história, diga-se de passagem em todas as modalidades de esportes até então conhecidas e usualmente praticadas. "O time de basquete por exemplo" - lembrava o ex-aluno de saudosa memória Mozart Souto - "era praticamente imbatível". Por sua vez, Jessisai Vitalino lembra que por ter àquela época um time tão bom, com os esportes tão difundidos e prestigiados, o Colégio Quinze atraiu para Garanhuns no ano de 1958, o Campeonato de Basquete, que foi totalmente realizado na quadra do Colégio, a esse tempo uma moderna quadra coberta.

O Dr. Jule Spach viria a dar ênfase na sua administração com a parte social, com uma programação intensa e festiva a cada ano, especialmente nas datas importantes como o dia 15 de Novembro, dia de Natal e outras festas. Foi a esse período que garbosamente, mais do que nunca, os alunos começaram a desfilar nas datas de Sete de Setembro e no dia do aniversário do Colégio. Instrumental da Banda Marcial renovada, padrão de camisa, camisetas, tênis eram elementos materiais sempre lembrados no cuidado do Dr. Spach nos desfiles. O desfile do Colégio Quinze, passou com os anos do Dr. Jule, a ser atrativo esperado pela sociedade. Ativou-se também por esse tempo, a Festa da Rainha do Colégio, com uma bonita festa de coroação realizada no dia do aniversário. A entrega de comendas, distintivos, e outras honrarias foram algumas das instituições exercitadas pela administração do Dr. Jule Spach.

A administração de Spach voltou-se também para as instalações do educandário. Novos edifícios foram construídos. Vale lembrar as dificuldades para a construção de novos prédios e a ampliação de salas de aulas, laboratórios, quadras, campos, jardins, passeios e demais áreas necessárias ao crescimento do Colégio. Spach foi uma espécie de Midas de Virtudes. Tudo que tocava transformava com o ouro da compreensão. Em outras palavras: "tudo que fazia dava certo", conforme testemunham alguns dos seus alunos contemporâneos. "Há pessoas que sempre fazem as coisas certas", quem nos lembra é Elizabeth Reinaux Cordeiro, referindo-se ao  Dr. Jule Spach, acrescentando: "Dr. Spach era uma das pessoas que fazia tudo com uma visível dosagem de virtudes e capacitação". A sua dedicação e altivez ainda hoje é lembrada por muitos dos seus alunos.

Polion Gomes da Silva, um dos filhos do "Seu Chico Gomes", conhecido comerciante em Garanhuns, morando muitos anos ali no Arraial (Heliópolis), numa casa de Esquina, lembra também o comportamento do Dr. Spach. "Tinha serenidade e justiça em tudo que fazia", diz Polion. Ao lado desses atributos do Dr. Jule ninguém dos muitos que o conheceram e dentre muitos que entrevistamos lhe negam  a amizade. Foi amigo de muitos. Ou de todos aqueles alunos, professores e colegas de direção que dele se aproximaram. Fossem para colaborar, para ajudar, ou para serem por ele ajudados e orientados.

A regência de Spach nos destinos do  Colégio Quinze marcaram época. Sem dúvida alguma, uma nova vida despontou com o trabalho desse missionário dedicado à missão de educar jovens debaixo dos ensinamentos da Palavra e do temor de Deus. Se alguma pessoa vier a escrever com mais profundidade a História do Quinze, ou mesmo a história da Educação e da Cultura em Garanhuns, não poderá  esquecer um capítulo sobre à figura de Jule C. Spach.

*Advogado, escritor, professor e historiador / Recife, 21 de setembro de 1985 / Jornal O Monitor.

Foto: Aluna da Cruzada ABC recebendo certificado das mãos de Jule Spach. Créditos da foto: Blog Terra do Magano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marília é a esperança de dias melhores para os pernambucanos

Por Eudson Catão* Marília Arraes é a pessoa certa, na hora certa, para virar a página e tirar do poder um grupo que se encastelou no Governo...