quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

Geovani Melo*

1º Festival de Inverno em 1991 - Garanhuns viveu momentos de euforia com a realização do 1º Festival de Inverno. Vários nomes da música nacional se apresentaram no Pátio de Eventos do Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, que ficou lotado por milhares de pessoas durante os dias de shows. O Teatro Luiz Souto Dourado foi palco de grandes apresentações teatrais como: Caxuxa (Grupo ou Entra no Tom ou Sai da Dança); O Caso do Boi (Grupo Cesteatro); Dorotéia vai à Guerra (Grupo Happening);  A Lira dos Vinte Anos (Teatro Serafim) e João Simplício (Grupo Almira Valença). Todos esses espetáculos marcaram a área teatral do Festival, pois cada  apresentação foi acompanhada de uma enorme plateia que considerou marcantes as respectivas peças teatrais.

No Colégio Diocesano, Colégio oficial do Festival, foram ministrados vários cursos e oficinas, havendo ainda Exposição de Fotos e Gravuras e venda de livros da própria exposição. No setor literário vários escritores estiveram dando palestras e ministrando seminários de abrangência das áreas dos cursos e oficinas. O dramaturgo e escritor Rubem Rocha Filho, autor de "Tilico no Meio da Rua" e vencedor do Prêmio Luís Jardim de Literatura Infantil (1990) esteve palestrando sobre a História do Teatro.

A Academia de Letras de Garanhuns abriu uma Exposição Documental sobre o Poeta Manuel Bandeira e serviu para o lançamento de livros de autores diversificados. Com todos estes eventos, o Festival de Inverno merece ser tratado no cenário nacional, cedendo a Garanhuns o cognome de "Capital da Cultura".

Foram 15 dias de pura alegria onde ficou nítida a disposição das autoridades em dar início ao projeto de transferência da cultura para todo o interior. O Festival foi realizado ainda dentro de algumas limitações, mas temos certeza de que o II Festival será maior ainda e os turistas deverão fazer escala obrigatória na terra das "Colinas Verdejantes", onde o clima ameno e a temperatura nos apresenta clima serrano temperado seco, e resquícios de Mata Atlântica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marília é a esperança de dias melhores para os pernambucanos

Por Eudson Catão* Marília Arraes é a pessoa certa, na hora certa, para virar a página e tirar do poder um grupo que se encastelou no Governo...