quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Garanhuns a Enevoada Pérola Fugidia


Marcilio Reinaux | Fevereiro de 1981

Garanhuns

de Simôa Gomes,

dos Guarás e de

Brasiliense Maia,

cantando o canto dos Anuns.


De Luís Jardim

com flores no seu nome,

dos Vilela, dos Vitalino,

dos Dourados, dos Gomes,

dos Reinaux's e dos

Gueiros.


Garanhuns

das flores, de

José da Costa Leite, de

Geronço Albuquerque, dos

amores, de Espiridião,

de Abdias Branco, de

Ferreira Costa e

Antonio Paulo.


Garanhuns, 

dos Maia, dos Moura, do

frio e da serração e

da saudade no coração.

Da cantoria de Manoel Teles,

de Osires Pedrosa e Polion,

de "Meu Lôro" e de

Euclides Dourado.


Garanhuns, 

dos Van der Linden,

de Godofredo Barros e de

Tavares Correia, dos

Pintos e dos Cardoso,

do Pau Pombo, dos

Eucaliptos, e dos

Tavares de Lira.


Garanhuns, de

Dom Mario Vilas Bôas, de

Dona Cecilia Rodrigues, do

Colégio 15 de Novembro.

Do Ginásio Diocesano do

Padre Adelmar Valença,

de Ageu Vieira, de

Monsenhor Calou.


Garanhuns,

dos Pereira, dos Almeidas,

dos Cabrais, da feira e

do Trem. Do carrossel nas

noites de festas, dos

americanos missionários,

Thompson e Taylor.


Garanhuns,

do Magano solitário

em noite de garôa,

da professora Nisia Caldas,

da Rua da Areia, e da

Rua do Recife. Do Mundaú,

do Pau Amarelo,

da Vila Regina e

da Serra Branca.


Garanhuns, 

do frio na pele e calor

no coração. Terra de Simôa,

no Monte Sinai

de Alfredo leite e

Manoel Gouveia, de

"Seu Guarda", "Pola" e

"João do Ovo".


Garanhuns, de

José Francisco, de

Uzai Canuto,

do Brejo das Flores,

de João do ìndio, do

Café Glória, de Siloé

e de Seu Belarmino,

e de Zé de Souza.


Garanhuns, de

Seu Matos, do Armazém do Gato,

de João Burrego e da

Loja "Atrativa", da

Praça João Pessoa, e da

Praça Dom Moura.

Do cabaré "Rosa Branca"

e de Maria Pé de Bicho"

e de "Maira Boi Brabo".


Garanhuns, 

de Mario Matos, dos Godoy,

de Aloisio Cabral, e de

Carlos Borba. Dos Morais

de Chico Leal,

do Padre Tarcísio e 

de Antonio Eutímio.


Garanhuns de

Henrique Câmara o

Coletor Federal, das

Novenas, do Santa Sofia,

do Hotel Petrópolis e

do Sanatório.

Do Mulungú e da

Gruta D'água.


Garanhuns,

dos Guarás e dos Anuns

de Vadô e Yaponam, de

Heloisa e Augusto Pinto,

da Estação, e da "Sopa",

do "Trivulim" e do

Capote Serrano.


Garanhuns,

do Cabo Cobrinha,

da Hecatombe, das

Serestas dos Seresteiros,

dos pedintes de feira,

Das frutas maravilhosas,

E do cinema seriado.


Garanhuns do

Doutor Lito, de

Urbano Vitalino, do

Dr. Oswaldo Medeiros.

De Duda Deletiere, de

Dona Elisa Coelho, de

"Seu Augusto" e da

"Nega Gente".


Garanhuns, 

de tudo e de todos,

do Tinô e dos Tinocos,

Do mudo da estação,

Do restaurante Raul Monte,

Da Rua Dom José,

Da Boa Vista.


Garanhuns,

Enevoada Pérola Fugidia,

Garanhuns das Flores

Garanhuns dos meus amores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prêmio Lucilo Ávila Pessoa de Educação premiará experiência pedagógica criativa

Parte da programação do XVIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, premiação está com inscrições abertas Com o objetivo de amp...