quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

História de Garanhuns



Bodas de Diamante do casal Abílio e Emília Valença - Da esquerda para a direita: Prefeito Amílcar da Mota Valença, Barreto Guimarães, Secretário do Governo Paulo Guerra, Sr. Abílio Camilo Valença, Sra. Emília da Mota Valença, Vereador Ivo Amaral, Padre Adelmar da Mota Valença e a Sra. Deolinda Silvestre Valença (esposa do prefeito Amílcar). Solenidade  pelo aniversário de casamento do casal Abílio e Emília Valença - Bodas de Diamante - 75 anos de casados - 31de julho de 1965.

Abílio Camilo Cordeiro Valença e Emília Benvinda da Mota Valença, casaram no Vasco, em Pesqueira. Abílio filho de José Camilo Valença e Maria Cordeiro da Fonseca Valença; Emília filha de João Tavares da Mota (português) e Maria Benvinda Valença da Mota.

Chegaram em Garanhuns, às cinco da tarde do dia 22 de maio de 1913, numa tarde fria, de chuva fina. Hospedando-se na casa de Maria Luna, parenta da Família, casada com o agente dos Correios, Sr. Lúcio Brasil, à Rua  da Aurora, hoje, Av. Barão do Rio Branco nº 45, de frente para o Nascente e dando esquina, pelo lado direito, com a Rua do Açude, hoje Tomás Maia.

Chegava a esta cidade uma família que mais tarde iria marcar presença e contribuir decisivamente para o progresso do município, impulsionando as artes, letras e programas educacionais.


Carta do Governador Paulo Guerra à Monsenhor Adelmar

Crédito das fotos: Ivo Tinô do Amaral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Secult-PE/Fundarpe divulga resultado final das propostas classificadas do FIG 2022

A Secult-PE e a Fundarpe divulgam o resultado final das propostas classificadas na análise de mérito artístico-cultural do 30º Festival de I...