quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

Nos cinemas havia uma "segunda classe", que por vezes desagradava aos cidadãos mais respeitáveis, conforme nota publicada no Jornal do Recife de 09/04/1916: "Pedem-nos para solicitarmos ao amável proprietário do "Cinema Grossi" uma providência contra o "molecório" da segunda classe, que  costumar bater palmas, ruidosamente a propósito de cenas de somemos importância. Atualmente tem tomado tais proporções que até mesmo em cenas trágicas os tais garotos batem palmas".

Eram cinema e teatro. Em setembro de 1916 estrou no  Grossi a "Troupe Elite" com a revista "014", que agradou a  todos. (Diário de Pernambuco 07/09/1916). Em 28 de outubro do mesmo ano, no Cinema Moderno, "foi levado à cena pela troupe "Elite" o empolgante drama em 3 atos "Deserdados" original inédito do nosso jovem e inteligente conterrâneo Amadeu Aguiar, mais conhecido pelo pseudônimo de Silva Néri. Findo o espetáculo, que deixou a todos agradável impressão, a troupe e o autor foram chamados ao palco, recebendo este uma salva de palmas. Pela pequena Alcina maia, foi-lhe oferecido um ramalhete de flores que o diretor do "Lumen" enviou a D. Geny Guerra, estrela da companhia. Em seguida vários amigos fizeram uma manifestação no buffet do  "Moderno", usando da palavra nessa ocasião o poeta Arthur Maia. O manifestado respondeu agradecendo".

É provável que depois das homenagens, o grupo formado por Antônio Veloso, José Bezerra, Ruber van der Linden, Gumercindo de  Abreu e outros, tenha ido para o quiosque de José Magro, onde os jovens boêmios se reuniam todos os sábados. Conta Amadeu Aguiar, que "havia de tudo lá, desde a pura e perfumada aguardente "Mata do Diogo" ao  "Le Proux" francês, a Geropinga, O Moscatel italiano, o Porto ou o Chateau Margot. Sucedia, porém, que o quiosque não comportava mais de seis pessoas. Fora sempre havia alguém esperando. E o frio - o adorável frio de minha terra - ultrapassava as pesadas roupas e penetrava-se a carne fazendo tiritar" (Jornal do Commercio, 16/04/1950).

Em novembro a troupe de variedades "Benildes de Freitas" deu seu último espetáculo no Teatro-Cinema Moderno (Diario de Pernambuco, 16/11/1916 - Nesse mesmo mês, no Cinema Grossi a cantora italiana Olga Lagrange estava sendo muito aplaudida. (Fonte: Anatomia de uma Tragédia - A Hecatombe de Garanhuns / Mário Márcio de Almeida Santos / 1992).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...