quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

SESMARIA DO MOXOTÓ - Em uma das Sesmarias do Moxotó, a que como dissemos na capítulo I, foi pelos concessionários: João Alves Pereira, Manoel Moreno, Amaro Fernandes Tinoco, Manoel Gonçalves e Domingos Fernandes, doada à Congregação de São Felipe Neri, já tinham sido organizados, em 1759, muitos sítios, entre os quais eram: Olho d'Água do Sabá, Cacimba dos Porcos, Fazenda Nova, Poço Comprido, Prazeres, Sambambaia, Caraíbas, Puitá, Poço do Boi, Jeritacó e Cupeti.

O Padre Miguel Batista, na qualidade de procurador da referida Congregação, vendeu vários daqueles sítios, como a seguir veremos nas vendas de alguns deles.

Em 15 de maio de 1759, vendeu a Antônio de Rezende de Melo o Sítio Poço do Boi com o respectivo território, começando do Poço da Cruz e pelo Rio Moxotó acima atá a barra do Riacho do Mel "onde extrema com as terras compradas a Congregação por Pantaleam de Serqueira Barboza - Jeritacó, e para o poente seguindo rumo direito légua e meia de terra descendo a parte do nascente confrontando com a Serra do Caldeirão outra légua e meia". Foram testemunhas desta venda o Sargento-mór João Mendes Branco, o Capitão Frutuozo Marques de Souza e José Gomes de Sá.

As terras que compunham o Sítio Fazenda Nova, começavam "na passagem do Mulungu correndo pelo Rio Cupety acima até a passagem do Maracajá dando lhe para as Ilhargas do dito Riacho para a Nascente disse ele vendedor lhe dava meia légua e para a parte do Poente outra meia légua" e foi comprado por Cosme Rodrigues de Almeida em 15 de novembro de 1753, sendo testemunhas: Manoel Gonçalves, José Barbosa, Antônio de Oliveira Cortes e Pantaleão de Siqueira Barbosa.

O Sítio Olho d'Água do Sabá se compunha de uma légua em quadra de território e foi, em 16 de novembro de 1759, comprado por Antônio de Oliveira Cortes, sendo testemunhas: Cosme Rodrigues de Almeida, José Barbosa Gomes, Manoel Gonçalves e Pantaleão de Siqueira Barbosa.

A outra Sesmaria do Moxotó, que conforme também foi dito no capítulo II, dela foram judicialmente empossados os seus concessionários: Padre João Pereira Campos, João Peixoto Vilela e Paulo Pereira Pacheco, em 10 de março de 1725. A esse tempo nela já eram organizados os sítios: Gameleira, Priaré, Monari e Priapé, tendo sido depois organizados mais três sítios: Puiu, Quiridalho e Cana Brava.

Entretanto, toda esta Sesmaria, como também uma grande parte da que foi doada à Congregação, ficavam no âmbito de outra que fora anteriormente concedida pelo Governador Geral do Brasil ao Ouvidor Geral Dr. Cristóvão de Burgos de Conteira, em data que desconhecemos, mas que em 1760, Manoel de Souza de Essa, procurador de dona de dona Florência Maria Madalena de Essa e Burgos, herdeira do referido Ouvidor, apareceu na Capitania do Ararobá, munido de documentos julgados por sentença do Tribunal de Relações da Baia, pelo que, foram as autoridades da Capitania constrangidos a lhe empossar em cada sítio desta Sesmaria e nos sítios: Olho d'Água do Sabá, Cacimba dos Porcos, Fazenda do Poço, Jeritacó, Piutá, Salgado, Prazeres, Fazenda Nova, Sambambaia e Caraíbas, todos da Freguesia de Nossa Senhora do Ó do Porto da Folha, termo da Vila de Penedo, pois naquele território foi o mencionado procurador empossado nos sítios: Sobrado, Pau Grande, Pipepam, Tinguí, Pau Ferro, Terra Nova, Moxotó e Cachoeira do Rio São Francisco.

Empossado que foi o referido Procurador, no Sítio Priaré, em 6 de setembro de 1760, acontece que, em 22 do mesmo mês e ano, o vendeu inclusive a sesmaria pelo preço de duzentos mil réis, "para evitarmos contendas e litígios", ao Padre João Pereira Campos que, como já sabemos, tinha sido ela um dos concessionários.

Do Sítio do Olho d'Água do Sabá, na outra sesmaria, o dito Procurador foi empossado em 6 de setembro de 1760 e, em 1º de outubro do mesmo ano, o vendeu a Francisco da Fonseca Rêgo.

Também o Sítio da Sambambaia, do qual o mesmo procurador havia tomado posse em 18 de setembro de 1760, logo no dia seguinte o tinha vendido ao mesmo Francisco da Fonseca Rêgo, deste modo limitado: "a partir pela parte do Norte com a Fazenda da Nova a saber pelo riacho acima légua e meia e para baixo o mesmo e para as ilhargas uma légua de terras".

Três anos depois destes acontecimentos, estas referidas sesmarias, inclusive toda a Região de Buíque, foram desmembradas do termo da Capitania do Ararobá, como veremos adiante, e incorporadas ao da Vila de Cimbres, também desmembradas da Capitania, e na parte da Sesmaria da Congregação de São Felipe Neri, que não ficava no âmbito da dos Burgos, entre outros, foi organizada a Fazenda  da Lagoa de Baixo, na qual se formou uma povoação. (Mantida a grafia da época / Fonte: História de Garanhuns / Alfredo Leite Cavalcanti (foto) / Volume I / Outubro de 1968 Foi mantida a grafia da época. Acervo: Memorial Ulisses Viana de Barros Neto).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

107 anos de Amílcar da Mota Valença

Hoje lembramos os 107 anos de nascimento de Amílcar da Mota Valença. No meado do mês de maio de 1915, o casal Abílio Camilo Valença e ...