segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

História de Garanhuns


Pedro Magno de Godoy (Padre Godoy) - Na década de 1920 já estava integrado na Paróquia de Garanhuns. Na área do jornalismo, assumiu em 1929, o cargo de Diretor de  "O Sertão", em sua última fase de existência, sendo o articulista dos problemas religiosos, o revisor, nada escapando a sua melindrosa função. Em 1943 esteve na direção de "O Monitor". Era professor no "Santa Sofia", "Ginásio Diocesano", musicista, versejador, organizador dos grupos de cantores, com a  colaboração de Horácio Vilela e Israel Carvalho, exímios violinistas. Na qualidade de compositor compôs o hino do Santa Sofia e o do Ginásio Diocesano. No mundo religioso o esforço grandioso na catequização dos fiéis e comando dos seus apostolados. Durante vários anos esteve à frente da Paróquia de Correntes. E, nos seus oitenta e pouco anos, na Igreja de Casa Amarela (Rua da Harmonia), Recife, celebrando missas, dando comunhão, batizando. E nos encontros com os amigos ainda a memória lúcida, relembrando o passado, o bom relacionamento, que manteve com os seus alunos e paroquianos na Cidade do Clima Maravilhoso. (Fonte: Os Aldeões de Garanhuns / Alberto da Silva Rêgo / 1987). 

Hino do Colégio Diocesano de Garanhuns

Na história do Colégio Diocesano de Garanhuns, está imortalizado o nome do Mons. Pedro Magno de Godoy. Foi com grande inspiração que a pedido do Padre Adelmar, então diretor do Colégio, o Padre Godoy compôs o Hino que une gerações e emociona todos aqueles que passam pelo casarão da Praça Mons. Adelmar da Mota Valença. O Hino foi cantado pela primeira vez, em 12 de outubro de 1938.

 

Letra e música do Cônego Pedro Magno de Godoy

Alto padrão de civismo e de glória, 

Templo sagrado de luz e saber, 

És o penhor de estupenda vitória, 

Que para nós o lutar é vencer! 

Por Deus marchamos, levando a bandeira 

Da pátria nossa, gentil brasileira. 

Avante, pois, com ardor juvenil. 

Pelo Brasil, pelo Brasil! 


Eis lá no céu o Cruzeiro luzindo, 

Emblema augusto de crença e de amor! 

É noite! A terra dorme, sorrindo ... 

Pra despertar com mais fulgor! 

Ouvindo a voz do clarim n'alvorada. 

Chamando à luta, em a nova jornada. 

Ginasianos, num imortal, 

Seja a instrução nosso ideal! 


Astro brilhante que anima e aquece, 

Ao te fitar, nossa mente delira, 

Curva-se a fronte para uma prece 

E dentro em nós a alma suspira . . . 

Aos pais aos mestres, em grato louvor, 

Cheguem as notas deste hino de amor! 

Ginásio amigo, querido lar, 

Tudo faremos por te exaltar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

107 anos de Amílcar da Mota Valença

Hoje lembramos os 107 anos de nascimento de Amílcar da Mota Valença. No meado do mês de maio de 1915, o casal Abílio Camilo Valença e ...