sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

ANTÔNIO SARMENTO DE PONTES (ANTÔNIO LIRA) - Filho de José Nicodemos Sarmento de Pontes e Rita Sarmento de Pontes, nasceu em 25 de outubro de 1905, no estado de Alagoas. Logo cedo Antônio sentiu a vontade de conjugar os seus esforços no sentido do bem comum. Madrugador e jovial, o seu espírito esportista revelou-se com toda pujança, e no tempo em que predominava o amadorismo, ao lado do seu irmão Mário Lira, fundou o Comércio Esporte Clube. Por muitos anos defendeu as cores alvinegra. As suas atividades se acentuaram sob vários aspectos sociais, a sua mocidade foi completa, no sentido do bem público, espírito altaneiro e digno.

Antônio Lira, participou ativamente de quase todos os movimentos sociais de Garanhuns, sua terra por opção. Foi um dos fundadores do Lions e da Sociedade Mortuária "Amor e Caridade".

Recebeu Medalha do Mérito de Garanhuns outorgada pelo prefeito Ivo Amaral, a Medalha do Centenário de Garanhuns e a Medalha do Jubileu de Prata do Lions Clube.

Funcionário da prefeitura de Garanhuns, demitido em virtude do golpe em 1937 por não concordar. O seu espírito democrático não se coadunava com as imposições ditatoriais. Era um Udenista porque acreditava na mensagem do que "O Preço da Liberdade é a Eterna Vigilância". Nesse sentido o seu conceito político era aprimorado. Foi vereador por Garanhuns, muito atuante e responsável, honrou a outorga que o eleitorado da nossa terra lhe concedeu. As proposições defendidas e apresentadas por Antônio Lira à Câmara de Vereadores, foram todas de conteúdo e forma sociais. O funcionário municipal que possuísse uma única casa de residência e nela morasse, estaria isento de pagar o Imposto Decimal, sendo aprovado por unanimidade.

Antônio Lira além de muitas atividades a nível de iniciativa própria, foi gerente da Empresa de Água, hoje Compesa, onde atendia  à todos os usuários sem distinção, nesse cargo de direção sua presença constituía uma tranquilidade. Depois passou a trabalhar na Coletoria Estadual. Casou-se com D. Djanira Gueiros Branco. Antônio Lira foi um verdadeiro garanhuense de alma e coração.  Muitas oportunidades lhes foram proporcionadas, e ele não aproveitava porque não queria deixar Garanhuns. Elegante, circunspecto, sempre muito bem vestido, gostava de branco, e infundia respeito e consideração em todos os segmentos de sua vida. 

Depois de muitos anos de trabalho honrado, e ao lado dos seus entes queridos, veio à falecer com 82 anos de idade à Avenida Euclides Dourado, bairro Heliópolis, onde residia. 

*Em 23 de março de 1952 o jornal O Monitor publicava: Na justiça do Presidente Vargas há dias passados, chegou nesta comarca, para os devidos fins, o indulto concedido ao Sr. Antônio Sarmento de Pontes (Antônio Lira), pelo Sr. presidente da república, há meses passados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Coração de Neon" é aclamado pela crítica em Cannes como o "novo cinema popular brasileiro"

A presença do filme “Coração de Neon” em Cannes, na França, pode estar abrindo uma nova fase do cinema brasileiro. A produção curitibana aca...