quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

SESMARIA DOS BURGOS - Em 22 de dezembro de 1671, o Governador Geral do Brasil, Dom Afonso Furtado de Castro Mendonça do Rio e Menezes, Visconde de Barbacena, deferindo o requerimento do Desembargador e Ouvidor Geral do Brasil, Dr. Christovam de Burgos de Contreira, em conjunto com dona Maria de Burgos, viúva de Manoel Couto de Essa, Pedro Francisco da Fonsêca, Belchior Soares, Manoel Ribeiro de Almeida, Francisco Ferraz de Souza e dona Vitória de Souza, lhes concedeu, por sesmaria, trinta léguas de terras na Capitania de Pernambuco.

A escritura desta concessão, foi registrada no livro próprio de sesmarias na Bahia, mas, para evitar confusões, o Dr. Christovam de Burgos mandou registrar o respectivo traslado no sétimo livro da Fazenda Real da Capitania de Pernambuco, à folha nº 138, em 11 de outubro de 1678.

O território desta sesmaria começava no mesmo ponto da dos Aranhas, no rio Canhoto, e com ele se dividia pelo oeste até o riacho Conceição, de onde continuava se dividindo com a mesma, pelo norte em direção ao poente, do ponto onde começava, ia pela margem direita do rio Canhoto, até defrontar a barra do riacho Tabocas, a um quilômetro da cidade de Canhotinho, e dai rumava para o sul dividindo-se com as "matas dos Palmares" pelo leste até as águas pendentes para o rio Paraíba, e assim para o oeste ia cruzar o referido rio poucos quilômetros da atual cidade de  Quebrângulo, e continuando para o oeste atingia a encosta sul da  serra da Palmeira dos Índios, continuando até o riacho denominado Dois Riachos, onde encontrava a sesmaria dos Aranhas. (Fonte: Alfredo Leite Cavalcanti (foto) - História de Garanhuns - Volume I - Outubro de 1968 / Foi mantida a grafia da época).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marília é a esperança de dias melhores para os pernambucanos

Por Eudson Catão* Marília Arraes é a pessoa certa, na hora certa, para virar a página e tirar do poder um grupo que se encastelou no Governo...