sexta-feira, 7 de janeiro de 2022

História de Jurema

Conforma se lê na folha 36 do livro nº 8, no arquivo do Segundo Cartório de  Garanhuns, onde está lavrada a escritura da venda do Sítio Quipapá, feita pelo casal Antônio Vieira de Melo e Brazida Maria de São José, ao comprador Francisco Xavier de Souza, em 22 de Junho de 1802, "os vendedores moradores na Varge da Jurema".

Nesse lugar se formou a povoação que hoje é a cidade de Jurema, sede do  seu Município criado pela lei nº 1.931, de 11 de Setembro de 1928, e instalado no  dia 1º do mês de Janeiro de 1929, sendo desmembrado do Município de Quipapá.

A então Povoação de Jurema, situada no distrito Judiciário e Policial de Quipapá, do Município das Panelas, comarca de Caruaru, já era um distrito de Paz em 7 de Fevereiro de 1873, do qual eram, respectivamente, o Juiz e Escrivão, os cidadãos Severo José de Azevedo e José Izidro da Silva Sabino.

E como os documentos que isto comprovam foram, pelo cidadão João Cordeiro de Souza, copiados do Livro de Notas nº 1, à folhas 2, daí se concluir ter sido criado o distrito de Paz naquele mesmo ano.

Os supra mencionados documentos se referem a escrituras de compra e venda de escravos, e um das quais foi lavrada em 24 de Março de 1873, referente à venda que fez Bento José de Souza ao comprador Salustiano Pereira Quaresma, da meação que tocou, "no inventário que se procedeu nos bens do casal delle vendedor" na escrava Apolonia, "e bem assim a parte correspondente à produção da referida escrava constante dos seus filhos, Maria, Josefa e Manuel".

No ano de 1945, o Município de Jurema foi elevado à Categoria de Comarca. (Fonte: Alfredo Leite Cavalcanti (foto) / História de Garanhuns / Volume II, Fevereiro de 1973). Mantida a grafia da época.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...