sábado, 8 de janeiro de 2022

José Praxedes de Brito, grande benfeitor do Povoado Timbó


José Praxedes de Brito, foi uma das maiores expressões do Timbó, pequeno povoado distante apenas 35 quilômetros de Garanhuns via Castainho. José Praxedes, homem religioso entre o seu povo e que foi patrono de Nossa Senhora de Nazaré, título outorgado por Dom Milton Correia, ex-bispo de Garanhuns. A Igreja de Nossa Senhora de Nazaré que fica no Timbó é a mais antiga de Garanhuns.

Segundo o Sr. José Praxedes, o povoado do Timbó nos idos de 1650 a 1700 acolhia um grupo de negros perseguidos por tropas portuguesas que foram também até ao Timbó.

Os escravos subsistiram a diversos tipos de perseguições, fixando-se no povoado que aos poucos se transformou em um dos pontos turísticos da região. José Praxedes foi o único pernambucano do Agreste Meridional que teve o privilégio de encontrar-se com o Papa João Paulo II em Manaus, quando o Santo Padre visitou o Brasil em 1980.

José Praxedes certa vez falou que não trocaria o Timbó e o seu povo nem pelas Sete Maravilhas do Mundo. José Praxedes de Brito faleceu em 1986.

CANÇÃO DO TRABALHO

José Praxedes de Brito

Trabalhai meus irmãos que o trabalho,

É riqueza, é virtude, é vigor;

Dentre a orquestra, da serra e do malho,

Brotam vida, cidade e amor;


Deus ti deu a missão tão honrosa,

No trabalho, na terra sem dor;

No trabalho, adquires furtunas,

Galhardão, de justiça, de amor.


Trabalhai com toda alegria,

Apanagio da vida e amor;

Construímos famílias alegres;

Na constância, saúde e vigor;


Salve o Deus, criador nas alturas;

Salve o homem, no justo valor;

Salve nós, a imagem de Cristo;

Salve o homem, o Deus redentor.

Fotos: (1) - O Sr. José Praxedes de Brito com o Papa João Paulo II em Manaus em 1980. (2) - Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, Povoado Timbó.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O alfaiate de Garanhuns

João Marques* Luiz Gonzaga cantava uma música que dizia "Sou alfaiate do primeiro ano / Pego na tesoura e vou cortando o pano". Is...