sábado, 15 de janeiro de 2022

Julho na Serra

Relógio de Flores - Garanhuns, PE

José Inácio Rodrigues| Garanhuns

Final de julho, Cidade Serrana. Cidade alta. De tão alta coberta de névoa, parece ficar mais perto do céu. As árvores dão a impressão de estarem encolhidas. Também poderá, o frio é intermitente! O orvalho embeleza nossas plantas.

Nos jardins as flores apresentam aspectos de quem chora. Silêncio de quem medita. Sorriso terno de quem homenageia a nostalgia dos seresteiros! Noite de julho. Noite fria. Só a voz dos boêmios quebra o silente véu da noite conciliando o sono de quem respeitosamente os escutam.

As ruas apresentam um ar de deserto molhado, por mais inverossímil que essa ideia pareça.

Ah! Garanhuns de ruas ladeirosas; de "colinas verdejantes", numa delas no seu ponto mais alto, do mais lindo por do sol, foi erguida a estátua do Cristo/, pelos amantes da arte. Simbolizando a presença do Mestre pronunciando sermão por sobre as montanhas azuis da histórica Galileia.

Garanhuns, razão de ser de minha existência; berço dos meus antepassados; nos teus pés eu choro minhas mágoas; confesso meus segredos; falo dos meus amores; das minhas vitórias; das cicatrizes que carrego na alma.

Embala-me Garanhuns! Com a ternura de mãe e corrigi-me com austeridade paterna.

Fonte: Relendo o Passado em linguagem poética de José Inácio Rodrigues.

Foto: virginiaspinasse.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...