quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Lá vem o trem


Gonzaga de Garanhuns

Quando o trem dava partida

Seu apito eu ouvia

Só para vê-lo de perto

Ligeiramente eu corria

Era o trem passageiro

Que bastante ligeiro

As onze horas descia


Lá vem novamente o trem

Escalado a serrania

Como era meu costume

Só para vê-lo corria

Era o mesmo passageiro

Que serrando bem ronceiro

Pelas três horas subia


Pelas dez horas do dia 

O trem de carga apontava

Um cesto contendo frutas

Numa vara pendurava

Com as frutas na cestinha

Logo pra beira da linha

Eu então me destinava


O maquinista contente

Aquela cesta pegava

Muita lenha, muita cana

Para mim ele soltava

Assim era minha vida

Na Tiririca querida

Aonde o trem passava.

Garanhuns, 11 de Abril de 1981

Foto: Antiga Estação Ferroviária de Garanhuns - Década de 1940. (Atual Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marília é a esperança de dias melhores para os pernambucanos

Por Eudson Catão* Marília Arraes é a pessoa certa, na hora certa, para virar a página e tirar do poder um grupo que se encastelou no Governo...