quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Livro "Os Aldeões de Garanhuns" de Alberto da Silva Rêgo

Ulisses Peixoto Pinto*

Este será o título de um livro de autoria do ilustre garanhuense Alberto da Silva Rêgo, agrônomo atualmente residindo no Recife. Alberto Rêgo de tradicional família local é filho do saudoso jornalista Daria Alves da Silva Rêgo, diretor e proprietário do antigo jornal Diário de Garanhuns, que depois passou a chamar-se Garanhuns Diário, em épocas passadas. A apresentação do precioso volume será feita pelo Agrônomo Ildefonso Lopes Filho, cujo pai Ildefonso Lopes foi também dirigente do semanário Tempos Novos, desta cidade. Aliás existe até uma rua no bairro de Heliópolis com o nome do dr. Ildefonso, um dos baluartes de Garanhuns do passado.

E por falar em rua, já é tempo de nossa Câmara Municipal dá o nome de Jornalista Dario Rêgo a uma das novas  artérias desta cidade, haja visto, o mesmo merece essa homenagem por ter sido um valoroso homem de imprensa, figura que marcou época entre nós. Muitas coisas aprendemos com ele no mundo da imprensa, pois militamos no Garanhuns Diário ao seu lado e do seu filho denodado Alberico Rêgo.

Gratas recordações. Bons tempos. Lutas com sacrifícios mil, sem visar lucro fácil. Mas que tinha um único objetivo: elevar o nome de Garanhuns no cenário da imprensa no nosso "interland".

O prefácio do trabalho de Alberto Rêgo que sairá do prelo provavelmente neste primeiro semestre, será do seu seu filho Antônio Otávio Machado Rêgo, atualmente militando no jornalismo em São Paulo.

Os Aldeões de Garanhuns vai inserir palpitantes assuntos da década de 1920 - 1940. São fatos e coisas de nossa terra que desfilarão ante nossos olhos, e corações. Recordações sobre vida social, futebol, jornalismo, cultura, etc.

Figuras que pertenceram a história desta terra, terão guarida no livro do dr. Alberto Rêgo, como Euclides Dourado, Mário Lyra, Tomaz Maia, José de Almeida Filho, Elpídio Branco, dr. Luiz Guerra, Francisco Figueira, Celso Galvão e Aloísio Souto Pinto, entre outros.

Árvores genealógicas de Simôa Gomes de Azevedo, Pantaleão Siqueira (Correntes), José Alves da Silva Tororó, pai de Otávio Alves da Silva Rêgo (Bimbe), Tomaz Maia, Joaquim da Costa Campos, etc. Serão publicadas no citado livro.

A nova obra de fatos e coisas de Garanhuns será uma evocação do passado com seus valores humanos.

Será mais um dignificante trabalho, que certamente irá se juntar a outros volumes que elevam a nossa terra como: "História de Garanhuns", de Alfredo Leite Cavalcanti; "Terra dos Garanhuns", de João de Deus de Oliveira Dias; "Garanhuns do Meu Tempo", de Alfredo Vieira; "Garanhuns ano 100", de Luiz Souto Dourado; "Garanhuns Centenária" (poesias e sonetos), de Lauro Cysneiros e de outros.

Alberto Rêgo, com seu espírito idealista e empreendedor, eivado de simplicidade, está de parabéns por lançar brevemente essa obra aos amantes de uma boa leitura mormente aos que são filhos, aos que ostentam os títulos de Cidadãos de Garanhuns e aos que residem e gostam desta terra hospitaleira, culta e progressista dentro dos segmentos da própria marcha da nossa história.

*Jornalista e historiador / Garanhuns, 4 de fevereiro de 1983.

*O livro Os Aldeões de Garanhuns foi lançado em 1987.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O alfaiate de Garanhuns

João Marques* Luiz Gonzaga cantava uma música que dizia "Sou alfaiate do primeiro ano / Pego na tesoura e vou cortando o pano". Is...