sábado, 1 de janeiro de 2022

Luiz Souto Dourado


Dr. José Francisco de Souza*

Grandes Vultos de Garanhuns - Nasceu em 1923 na Avenida Santo Antônio,   sua querida cidade das flores, estudou no então Ginásio Diocesano, bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais, logo cedo ingressou na política, foi deputado estadual em duas legislaturas. Amigo do mestre Dr. Antônio Brito Alves e de muitos outros luminares das letras jurídicas. Estava no Diário de Pernambuco quando o estudante Demócrito tombou assassinato em nome da liberdade. Como deputado nunca esqueceu as  suas raízes, a sua atuação no desenvolvimento de Garanhuns teve repercussão na imprensa do Estado: Rodovias - São Caetano-Garanhuns, Catende-Garanhuns. Fábricas: fábrica de leite em pó, (GISA), fábrica de Relógios (Hora Norte), Caixa de Crédito Mobiliário, Banco Econômico da Bahia, Hotel Monte Sinai, Garanhuns Mapa Turístico do Brasil, Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti, Teatro Jovem, educação e muitos outros empreendimentos como deputado. 

Foi prefeito entre 1969 e 1973. Sua eleição foi a mais expressiva vitória de sua carreira política, construiu a Praça Tiradentes. Desmonte da antiga Rotunda, conclusão do Fórum  Eraldo Gueiros, Praça Guadalajara, Estação Rodoviária, Aloísio Pinto, Avenida Caruaru, Praça Elpídio Branco. "Consciência Artística de Garanhuns". Escritor com dois livros publicados "Garanhuns Ano 100" e "Os Combatentes da Liberdade", prefaciado pelo Mestre Acadêmico Barbosa Lima. 

Tinha uma coluna no Diário de Pernambuco  há muitos anos. Seu último trabalho jornalístico foi "Com Arraes e Arroz", a respeito da vitória do seu amigo de partido Miguel Arraes de Alencar. A crônica aludida foi publicado no "velho diário". Ele deixou sua marca gloriosa nos destinos da "Terra dos Mochileiros". O primeiro prefeito de Garanhuns eleito no regime republicano, era seu avô  - o coronel Antônio da Silva Souto. 

Também seu tio o Dr. Antônio da Silva Souto Filho (Soutinho), foi chefe do Poder Executivo local, deputado estadual, deputado federal constituinte, senador estadual e chefe político por muitos anos.

Como secretário de Justiça no governo de Miguel Arraes, restaurou o Aprendizado Santa Rosa e deu apoio ao Instituto Profissional Bom Pastor, dirigido pelas irmãs desta ordem religiosa. Souto Dourado faleceu no Recife aos 63 anos de idade, em sua residência no bairro dos Aflitos no dia 26 de dezembro de 1986. Seu corpo foi sepultado no cemitério Santo Amaro. 

*Advogado, jornalista e historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prêmio Lucilo Ávila Pessoa de Educação premiará experiência pedagógica criativa

Parte da programação do XVIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, premiação está com inscrições abertas Com o objetivo de amp...