sábado, 1 de janeiro de 2022

Memória Esportiva de Garanhuns


CSE de Palmeira dos Índios (em 1952): Em pé: Foca, Dirceu, Índio, Bené, Lolô; Agachados: Baiano, Netinho, Moraes, Tonheiro e Oseas. Esse time venceu a Seleção Alagoana, por 2 x 1, e o São Cristovão, do Rio, por 1 x 0.

Laércio Peixoto*

Oseas José dos Santos - Natural de Garanhuns, nascem  aos 22 de fevereiro de 1921; filho de Francisco José dos Santos e Amélia Calado dos Santos, tinha dois irmãos: Valdemar e Severina. Casado com Dona Elda de Souza Santos, com quem teve os filhos: Jorge Luiz, José Carlos, Jarbas, Jane, Jailson e James Leonardo. Iniciou sua carreira de atleta no Flamengo do Recife, transferindo-se depois para o América onde conquistou o título, em 1944, de Campeão Pernambucano de Futebol, jogando a decisão com o Clube Náutico Capibaribe, tendo assinalado dois gols, com Valdeque marcando o terceiro na goleada de 3 x 0. No mesmo ano foi convocado para a Seleção Pernambucana que iria disputar o Campeonato Brasileiro de Futebol.

Voltando a Garanhuns, foi jogar na AGA, indo depois para o CSE de  Palmeira dos Índios, chegando à  Seleção Alagoana onde jogou ao lado de jogadores como: Tomires, Dida e Pirilo entre outros. Volta a jogar na AGA, Seleção de Garanhuns, sempre reforçando as equipes de nossa cidade nos jogos realizados contra times de nosso Estado e estados vizinhos. Acontecimento marcante em sua carreira, lembramos do jogo em que o América venceu o Vitória da Bahia, por 4 x 1 tendo o jogador Galego Agenor, também garanhuense, atingido o jogado Maneca do Vitória, ídolo na Bahia, (iria depois para o Vasco e Seleção Brasileira), jogando o atleta baiano fora do campo, nos braços dos torcedores. O campo não tinha alambrado. Só saíram do campo após as duas horas da manhã - o jogo foi à noite   - em quatro carros da polícia, com a torcida baiana chegando a quebrar o para-brisa de um dos carros. Galego Agenor era considerado, na época o jogador mais violento do Futebol Pernambucano.

*Professor e esportista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marília é a esperança de dias melhores para os pernambucanos

Por Eudson Catão* Marília Arraes é a pessoa certa, na hora certa, para virar a página e tirar do poder um grupo que se encastelou no Governo...