quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

O homem e o castelo


Rossini de Azevedo Moura*

Desde os 10 anos de idade, no vigor de sua ingenuidade,  João alimentava o sonho de construir um 'reinado'. Descobriu aos 12 anos, ao assistir um filme de capa e espada, que, para construir um reinado tinha primeiro que edificar um Castelo.

Vinte e cinco anos passados, depois de aterrar um terreno íngreme comprado a João Cândido, com carradas e mais carradas de lixo, restos de obras e muito barro e areia, iniciou a construção do seu grande sonho de criança.

Assentou 611 mil tijolos até agora (2007). Os recursos vêm das suas economias, economias geradas pelo seu trabalho incessante de eletricista e encanador. Tudo isso, depois de casado e com 8 filhos. Misturou muito as coisas. Foi presidente da Liga Esportiva de Garanhuns e por 35 anos presidente  do Clube de Futebol 'O Cruzeiro'. O menino endiabrado lembra hoje com saudades de sua infância pobre. E recorda que chegou a ser o palhaço  perna de pau do Circo Águia de Prata.


Participou intensamente na sua mocidade da vida esportiva de Garanhuns e como goleiro foi atleta do União, Arraial, Cruzeiro e Nove Horas. Ainda recorda com um riso nos lábios, que chegou a ser notícia na BBC de Londres, quando o Cruzeiro jogando contra o Sete de Setembro, que contou com a conivência do juiz da partida quando estava 0 x 0, marcou um pênalti a favor do Sete que venceu a partida por 1 x 0. Sentindo-se esbulhado, João conseguiu pegar a bola e furou-a com um canivete, o que causou tremendo rebu entres os torcedores. A partida foi encerrada por falta de bola e João intimado pelo delegado para prestar esclarecimentos do ato impensado e jocoso, além de ser condenado a dar uma bola nova à liga esportiva.

João Ferreira da Silva sempre gostou de praticar esportes especificamente o futebol. Goleiro era sua posição. Mas, vez em quando, levava uns franguinhos e um deles foi tão  indesculpável que a torcida disse que aquilo não foi um frango, João engoliu um 'capão'. Veio daí o seu apelido: João Capão. Mas, indiferente aos gols fáceis que tomava, continuou perseguindo o sonho de fazer um 'reinado' em Garanhuns. O Castelo foi sendo levantado tijolo a tijolo, e, 25 anos depois, desponta imponente misturando-se a um cenário de esmagadora beleza numa área bucólica que os alicerces das colinas circundantes de Garanhuns e da Rodovia.

Sente-se emocionado com a afluxo de turistas que se engolfam nos corredores do Castelo do Rei João Capão I, fazendo questão de serem fotografados ao lado do Rei de Garanhuns. Na sua humildade, revela que os turistas lhe valorizam muito, porém confessa que sua maior emoção foi ter sido homenageado por um grupo de turistas que fizeram questão de, em oração contrita, pedir ao Supremo Criador bênção para João levar o seu sonho até o fim, o que realmente já está acontecendo.

Durante o  Festival de Inverno é um dos locais mais visitados pelos turistas.

João Ferreira da Silva, 'João Capão', faleceu em uma quinta-feira (12), de maio, de 2016, aos 81 anos, trabalhou 34 anos em seu castelo.

*Cronista, jornalista e radialista / Garanhuns, 19 de junho de 2007 / Jornal Gazeta de Garanhuns.

Fotos: (1) - João Ferreira da Silva (João Capão). Créditos da foto: http://mundomidianoticias.blogspot.com (2) - Castelo de João capão. Créditos da foto: https://www.merecedestaque.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Secult-PE/Fundarpe divulga resultado final das propostas classificadas do FIG 2022

A Secult-PE e a Fundarpe divulgam o resultado final das propostas classificadas na análise de mérito artístico-cultural do 30º Festival de I...