quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Saudades de Garanhuns

Saudades... - Recordo da minha avó por parte da minha mãe Inácia de Barros Souto, ela sentada num baú contando histórias quando morava aqui.

Festa de aniversário do Colégio Diocesano, onde em primeiro plano estava o padre Adelmar cuidando do pelotão das crianças, no desfile.

Esperar o trem procedente do Recife e antes do mesmo parar, eu entrava em busca de jornais deixados por passageiros.

Tenho saudades das professoras Elisa Coelho (1ª), proprietária da escola particular Frei Caneca (Av. Santo Antônio), Almira Valença, Arlinda Valença, Isaura Medeiros, Florinda Simões, esta muito doente e de outras.

Saudades de Fernando Castelão, amigo de infância e companheiro de Colégio. O pai dele e o meu, tinham Lojas de Fazenda na Santo Antônio. Grande figura, inclusive no radialismo.

Recordações do Padre Callou falando na Catedral e dos seus bolos de palmatória, no "Diocesano".

Participar das campanhas políticas da saudosa UDN, com seus discursos e gostosas "buchadas".

Saudades imensas de "Seu Alfredo Leite Cavalcanti", com suas conversas, antes e depois de ser historiador de Garanhuns. Gostava de andar nas suas "sopas" para o "Arraial". Ônibus baratos...

Tenho saudade do Exército, quando servi como voluntário nos 22 e 21 BC (respectivamente, em Maceió e Garanhuns 1944-1946).

Tempos saudosos dos jogos de futebol antes de 1940, quando esta cidade tinha 3 bandas de música.

Recordo-me saudoso quando levava meu filho Ulissinho para a escola da professora Valdeci, Dom Expedito Lopes. Ele caminhava pela Júlio de Melo, mais além, olhava pra trás toda vez com sua bolsinha para seu destino. Confesso ficar com os olhos d'água ao escrever esses gloriosos tempos. Tempos de maior amor a Deus, tão diferentes dos de hoje!

*Ulisses Peixoto Pinto /Jornalista, cronista e Historiador Garanhuns, Setembro de 1989.

Foto: Desfile dos Ex-alunos do Colégio Diocesano na Av. Santo Antônio em 12 de outubro de 1992. Jornalista Ulisses Pinto, Dr. Valderedo Veras e o Professor Amauri Elói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O alfaiate de Garanhuns

João Marques* Luiz Gonzaga cantava uma música que dizia "Sou alfaiate do primeiro ano / Pego na tesoura e vou cortando o pano". Is...