quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

História de Garanhuns

ANTIGOS SÍTIOS 

GARANHUNS - No Sítio Tapera do Garcia, antes Fazenda do Garcia, e por fim Sítio do Garcia, se organizou a povoação do Ararobá que é atualmente a cidade de Garanhuns, sede do Município.

BUÍQUE - A Fazenda da Lagoa, que "parte de huma banda com a Fazenda de Francisco de Abreu, chamada o Cural do Meio, e da outra parte com o citio chamado o cabo do Campo que é de Leonel de Abreu e Lima", tocou por herança dos seus pais a Pedro Aranha Pacheco, casado com dona Maria de Matos da Costa, que, do falecimento do seu marido, a vendeu pela quantia de quatrocentos mil réis, em 19 de novembro de 1716, aos irmãos: Capitão comandante Félix Paes de Azevedo e Nicácio Pereira Falcão.

Em 27 de março de 1753, já era  falecido Nicácio Pereira Falcão, e que o seu irmão e sócio fez entrega da metade das terras da fazenda aos seus herdeiros, e que da sua parte na fazenda, partilhou a metade entre os filhos da sua esposa dona Ana da Rocha, que com ele se casara em estado de viúva, e que também naquela data já era falecida.

Das terras que lhe ficaram, Félix Paes de Azevedo separou a metade e a doou como dote de casamento dos seus sobrinhos Julião de Matos Garcês  e Francisca dos Prazeres, decomendando o desenvolvimento de quinhentas braças de terras para o patrimônio da Capela sob o orago de São Félix que se ia erigir. Em 27 de maio de 1754, a Capela estava sendo construída, e Gonçalo Pereira de Moraes, aumentou o seu patrimônio com a doação de "seis mil reís" das terras de sua propriedade na Fazenda do Mocó. Em volta da Capela de São Félix foi lentamente se formando, a povoação de São Félix do Buíque que, em 1763, deixou de fazer parte da jurisdição de Garanhuns, na sua fase de Capitania do Ararobá, em consequência da instalação da Vila de Cimbres, naquele ano, a cuja jurisdição passou a pertencer até que, em 1863, voltou a fazer parte da de Garanhuns.

A Capela de São Félix só deixou de ser filial da Matriz de Santo Antônio de Garanhuns, quando passou à categoria de Matriz da Freguesia de São Félix do Buíque em 1792. De começo toda  a autoridade da Povoação era exercida por um notário, e conforme documentos existentes no primeiro Cartório de Garanhuns, em 1838, ocupava este cargo o cidadão Paulo Bezerra Leite de Sampaio.

Vamos transcrever na íntegra o intróito de uma procuração bastante do Buíque no ano de 1854, antes de, nesse mesmo ano,  ser inaugurada a sua elevação à categoria de Vila, como sendo do seu próprio Município.


"Saibão quantos este público Instrumento, Procuração bastante virem qe no Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jezus Christo de mil oito centos cincoenta e quatro aos  doze dias do mês de Maio nesta Povoação do Buíque termo e Comarca de Garanhuns em meu Escritorio, etc... eu Joaquim Pereira de Gois Escrivão de Pas... (Testemunhas Manoel Francisco Monteiro, Antonio Bento Ferreira e Francisco Xavier de França).

Assim foi instalada a Vila do Buíque que em 19 de julho de 1854, conforme intróito do documento que a seguir vai transcrito na íntegra, já o havia sido.

"Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jezus Chrito de mil oito centos cincoenta e quatro aos dezenove dias do  mes de julho do dito anno nesta Villa do Buique da Comarca de Santo Antonio de Garanhuns... escrivão José  Cordeiro dos Santos."

E a cidade do Buíque localizada no planalto da serra do mesmo nome, que, dispondo de clima idêntico ao de Garanhuns, bem poderia por meio de uma bem dirigida propaganda transformar-se, também, em importante centro de turismo, o que concorria para aumentar o seu já bem acentuado progresso.

ÁGUAS BELAS - O local onde hoje é situado a cidade de Águas Belas era, conforme intróito de um documento que depois transcrevemos, chamado Missão da Lagoa do Comunati, motivado pela existência de uma missão, já em 1735, que se encarregava da catequese e assistência aos índios Fulniôs, onde construiu uma capela sob o orago de Nossa Senhora da Conceição, filial da matriz da Freguesia de Nossa Senhora do Ó do Porto de Folha.

"Aos coatro dias do mes de setembro de mil e sete sentos e sincoenta e oito annos neste lugar da Messão do Comonaty em apozentadoria de mim Tabeliam aparesseram  perante mim Ignacio de Barros Leite e o lensensiano Ventura Rabello Leite pessoas que reconhesso pelas proprias de que se tratão e dou fe e por elles... eu Luis Ribeiro Lima Tabelião o escrevi".

Além da dedicação pelo bem estar dos índios catequizados, para a sua tribo, obtiveram os padres componentes da missão concessão de uma légua em quadra de terras, demarcada, servindo a mencionada capela como pião, apenas separando das terras concedidas um pequeno trecho para o patrimônio da mesma capela.

A dedicação dos padres que compunham a Missão do Comunati foi ao ponto de conseguirem para a comunidade dos seus  catequizados índios e concessão definitiva de uma légua em quadra de terras, demarcada servindo de pião a referida capela, separando apenas um pequeno trecho para o referido patrimônio.

Em 21 de novembro de 1760 já era iniciada a formação da povoação de Nossa Senhora da Conceição de Águas Belas e assim chamada, conforme veremos em tópicos da carta de alforria que vai transcrita na íntegra, a seguir:

"Saybam quantos este publico instromento de carta de Alforria do negro Manoel virem que sendo no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesuchristo de mil cete centos e cecenta aos vinte e hum do mes de Novembro do dito anno nesta Povoação de Nossa Senhora da Conceição de Aguas Belas em cazas de moaradas do Reverendo Padre Francisco de Amorim Rego donde eu Tabelião fui vindo ahi apareceo o negro Manoel com hua carta de Alforria para lançar nesta nota o thior de verbo adverbum hé o seguinte "Digo eu Padre Francisco de Amorim Rego que hé verdade que  entre os mais bens que tenho sou legítimo senhor e possuidor jare domini i valguez bem assim possuo hum escravo por nome Manoel do gentio de Angola o qual escravo pello amor de Deos o forro e liberto de hoje parta todo o sempre... Missão de Nossa Senhora da Conceição de Aguas Belas da Lagoa do Comunaty oito de Janeiro de mil cete centos e cincoenta e nove annos o Padre Francisco de Amorim Rego como Testemuna... e não se continha mais... o Escrivão Tabelião Jeronymo de Crasto e Sylva."

A capela passou a categoria de matriz quando, por cerca do ano de 1765, foi criada a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Águas Belas.

A povoação tornou-se sede de um dos distritos do Município da Vila de Santo Antônio de Garanhuns, até quando, em 1854, foi desmembrado para fazer parte do Município do Buíque, e dele posteriormente desmembrado para o de Bom Conselho, em 1861, até que deste se desmembrou em 13 de julho de 1871, para compor o seu próprio município, e quando a referida povoação passou à categoria de vila.

Quando se promoveu a organização do colégio eleitoral da  Comarca de Garanhuns houve, em 13 de outubro de 1822, uma  eleição paroquial na Matriz da Freguesia de Águas Belas para eleger os representantes da Freguesia como partes componentes do mencionado colégio eleitoral, na qual foram para isto eleitos os seguintes cidadãos: Capitão José Vicente Cavalcanti, sargento-mór Paulo Caetano Tenório, Vicente Ferreira Cavalcanti, alferes Antônio Cavalcanti de Albuquerque, diretor Lourenço Bezerra Cavalcanti e capitão Sebastião Paes Barreto Cavalcanti.

Antes da composição da mesa eleitoral foi, pelo vigário da Freguesia, padre Manoel de Souza Magalhães, celebrada missa cantada, e a mesa eleitoral ficou composta de um presidente, dois secretários e dois escrutinadores cargo estes ocupados, respectivamente, por Jerônimo Ferreira de Veras, na qualidade de primeiro vereador da Câmara de Garanhuns, Antônio Cavalcanti Paes Barreto, Antônio Florentino de Albuquerque Maranhão, José Vicente Cavalcanti, Sebastião Paes Barreto Cavalcanti e Antônio Luiz de Melo, além do vigário da Freguesia que a tudo presenciou em lugar destacado.

PEDRA - O capitão Manoel Leite da Silva, então no estado de viúvo de dona Maria Cavalcanti de Araujo, já estava fazendo construir  a capela de Nossa Senhora da Conceição da Pedra e para o seu patrimônio fez doação, em 22 de julho de 1760, da metade do território do sítio da Padra, organizado nas terras da fazenda Puxinanã, que antes havia comprado ao casal do sargento-mór José Cavalcanti de Albuquerque e dona Joana Leite.

Como sempre acontece, a construção da referida capela de  início à povoação de Nossa Senhora da Conceição da Pedra, que  hoje é a cidade do Município da Pedra. Todo o território da fazenda Puxinanã, inclusive o do sítio da Pedra, foi incluído no desmembramento da jurisdição de Garanhuns, quando  ainda na sua  fase de Capitania do Ararobá, para fazer parte da de Cimbres, em  1763, e somente a ela voltou em 1836, quando a então povoação de Pesqueira passou, em definitivo, a sediar o termo de Cimbres, porém a capela de Nossa Senhora da Conceição da Pedra somente deixou a sua filiação da matriz de Garanhuns, para se filiar a de Buíque, em 1792, quando foi criada a sua Freguesia.

A povoação que fazia parte do distrito de Buíque, quando este, em 1854, se tornou independente do termo de Garanhuns, como a criação do seu próprio termo, com ele continuou como sede de um dos seus distritos, até que, em 13 de maio de 1881, foi criado o seu Município, quando passou à categoria de Vila.

Mesmo depois que a Vila da Pedra passou à categoria de cidade, continuou com o seu crescimento e progresso sempre lentos. Entretanto, graças não somente aos esforços dos seus habitantes, ao lado da facilidade dos transportes das suas produções agrícolas, com o aparecimento da rodovia que liga Garanhuns ao  alto sertão pernambucano, o Município da pedra muito tem prosperado, demonstrando extraordinário progresso.

Fonte: Alfredo Leite Cavalcanti (foto) / História de Garanhuns / Volume I / Garanhuns, outubro de 1968 / Mantida a grafia da época. Acervo: Memorial Ulisses Viana de Barros Neto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Concurso Prefeitura de Paranatama – PE: 180 vagas imediatas; até R$ 8 mil

Já está em andamento o concurso da Prefeitura de Paranatama, que oferta 180 vagas imediatas, com ganhos na faixa entre um salário-mínimo e R...