sexta-feira, 7 de janeiro de 2022

Um aniversário de difíceis lutas


Migrante nordestino no Sudeste desde o final da década dos anos 40, tenho mantido com Pernambuco, especialmente com Garanhuns, uma cumplicidade afetiva do tamanho das saudades acumuladas. Essa cumplicidade, no decorrer de todos esses anos, já tornou-se fascínio e não é sem razão que meus familiares mais próximos e confrades da mídia dos jornais indaguem-me o porquê de tanta teimosia em escrever sobre temas nordestinos, e com inusitada frequência sobre as lutas políticas do meu Estado e da minha cidade preferida por mil e uma razões.

Não tenho tantos amigos em Garanhuns, como o leitor apressado poderia imaginar, mas os que tenho pelas qualidades deles muito mais que minhas , constituem de elo inquebrantável ligação com a terra de Souto Filho, cantada por Luís Jardim em sua obra literária, e amada por dona Gerusa Souto Malheiros em seu único livro "Memórias de Amor".

Desses amigos sobressai-se no campo cultural, social e político, Ivo Amaral, que neste ano de 1993 está completando trinta anos de militância num único partido chamado Garanhuns.

O sobrinho do bispo - como chamavam-no os contemporâneos do internato do imortal Ginásio, numa alusão ao Arcebispo Dom João da Mata Amaral, também imortal pela doutrinação que fez durante toda vida, da "Rerum Novarum" de Leão XIII, o Papa socialista da Igreja Católica, tal qual o tio, que para ele foi mais que um pai, desde menino de calças curtas sempre cultivou o amor ao próximo - independentemente de que seja o próximo.

Essa máxima tão aludida no cotidiano da vida de todos nós, porém em essência tão pouco praticada pela maioria dos que a repetem, constitui-se para Ivo numa plataforma quando, mais tarde, a partir de 1963, conquistou o seu primeiro mandato popular, naquela memorável campanha que deu início ao ciclo Amilcareano na difícil política de Garanhuns.

Não cabe num artigo de jornal enumerar o que foi sua atuação, como vereador, vice-prefeito, prefeito em exercício quando substituiu Amílcar na viagem que ele fez aos Estados Unidos da América do Norte, e, depois, o que todo mundo conhece e sabe de cor e salteado, prefeito, deputado por duas vezes e novamente prefeito - o mais operoso na administração pública do nosso Estado, segundo pesquisa empreendida pelo Diário de Pernambuco.

Desse "curriculum-vitae" recheado na política pelas obras que realizou no Executivo, como igualmente pela vigorosa quanto fértil atuação parlamentar no legislativo, o que fica à vista de todos quantos têm o nosso Município e o agreste meridional como metas para o desenvolvimento equilibrado, é a certeza de que Ivo, cujo único partido é o Partido de Garanhuns, é o político mais eficiente de toda sua geração.

Isso não significa dizer que ele não tenha cometido erros - pois, errar é próprio da condição humana, e que dele não possamos discordar, como eu tenho discordado tantas vezes em repetidas ocasiões. Contudo, se formos conscientes no bem-querer à terra do frio e das flores, haveremos de fazer justiça a esse homem que tem feito da política não um meio, mas um fim, que não é outro senão o de servir sem jamais servir-se do povo que tantas vezes o tem consagrado como líder.

Nesse aniversário de difíceis lutas semeia-se para as próximas eleições de 1994 a necessidade imperiosa de Ivo Amaral, pela sua pertinácia e capacidade mais que comprovada na vida pública, retornar à Assembleia Legislativa para novamente lutar pelos altos interesses de Garanhuns e região. Que os  meus conterrâneos digam amém.

* Artigo publicado no Diário de Pernambuco, edição de 25.06.1993, intitulado "UM ANIVERSÁRIO DE DIFÍCEIS LUTAS",  assinado pelo jornalista Rinaldo Souto Maior, onde homenageia o político Ivo Tinô do Amaral pelos seus 30 anos de vida pública, dedicados à Garanhuns e ao Agreste Meridional. Seus amigos e correligionários, com orgulho, mandaram reproduzir, essa reportagem, num ato de justiça a IVO AMARAL, pelo mesmo ter dedicado mais da metade da sua vida ao povo de Garanhuns. Os Amigos.

Foto: Ivo Amaral discursa no Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti. No seu 24º ano de existência, em 2014, o Festival de Inverno de Garanhuns homenageou o seu criador. O ex-deputado e ex-prefeito de Garanhuns, por dois mandatos, completou naquele ano 80 anos de vida. Além da criação do FIG, outra marca do ex-gestor é o Relógio de Flores, cartão-postal da cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

História de Garanhuns

Turma de Concluintes do Curso de Contabilidade do Colégio Diocesano de Garanhuns de 1969. Foto -  1ª fila da direita para a esquerda:  João ...