sábado, 12 de fevereiro de 2022

Sempre Vinte Anos

Luiz Souto Dourado*

De volta do almoço que Paulo Rangel Moreira -  homenageando Gilberto Freyre pelos seus oitenta anos - ofereceu no Sítio Bogarí aos seus companheiros de  luta pela redemocratização em 1945, estive relendo esses trechos de um Diário: 27 de Novembro de 1945 - Encontramos o pessoal da Faculdade. Murilo (Costa Rego), José Gonçalves (de Medeiros) e Paulo (Rangel Moreira) que vieram com Gilberto Freyre. À noite, realizamos um comício em prol da candidatura de Gilberto".

Estávamos em plena campanha pela redemocratização do país. Na véspera, participamos de um comício em favor da candidatura do Brigadeiro Eduardo Gomes, em Garanhuns. Gilberto Freyre era o candidato dos estudantes de Direito, indicado por Odilon Ribeiro Coutinho, que vencera Murilo Costa Rego numa eleição na Faculdade. 28 de Novembro de 1945 -  "Saímos de Garanhuns às 5:45hs Cedinho (Antônio Cedro Carneiro Leão), Dr. Cedro (Luiz), Arthur (Reinaldo Maia Alves), Brito (Antônio de Brito Alves), Osório Borba e Eu. Quase não senti a viagem, porque Osório conversa muito e eu gostava de ouvir o que ele  dizia . É simpático e muito simples. Demorando um  pouco em Caruaru, encontramos Álvaro Lins que está cuidando da sua candidatura".

Lembro-me que muitos anos depois o Prefeito Anastácio Rodrigues me mostrou encaixotada toda a biblioteca que Álvaro Lins deixara para Caruaru, que não o elegeu naquele ano de 1945.

25 de Novembro de 1945 - "Às duas horas da tarde, saímos para Palmares. Dr. Cedro, Arthur, Cedinho, Brito e Eu, Gilberto Freyre e os meninos (Paulo Rangel, Murilo e José Gonçalves entre outros estavam lá. Falamos todos nós para um público sem nenhuma vibração. Jantar no Engenho Japarambuba.

Recebeu-nos Dona Laura Paranhos com a fidalguia e distinção que Célia Rangel Moreira hoje fez lembrar.

03 de Dezembro de 1945 - As primeiras notícias que  chegam ao Arraial (Garanhuns) anunciam já uma  diferença entre Gal. Dutra e o Brigadeiro. Não acredito que o Brigadeiro ganhe esta eleição. A máquina continua montada. Muita gente ainda pensa que Getúlio está no Poder. É uma tristeza eleição no Brasil".

Ai está a primeira decepção de um estudante, no  dia seguinte ao da eleição, não acreditando, já nos primeiros resultados, na vitória do seu candidato, que simboliza a luta contra a ditadura de então.

Afora Gilberto Freyre, nem o Brigadeiro Eduardo Gomes, nem Álvaro Lins, nem Osório Borba, nem Luiz Cedro conseguiram se eleger.

Anos mais tarde, Osório Borba foi candidato de  protesto ao Governo de Pernambuco e venceu em Recife e Olinda. Álvaro Lins, como Embaixador do Brasil em Portugal, teve corajosa atuação na redemocratização daquele país. Tanto um como o outro, vindo da mesma campanha de 1945.

Aquela eleição de 1945 fora a primeira depois de  oito anos de Estado Novo. Depois, Getúlio Vargas voltou ao Poder e nele morreu. Depois, Café Filho, Juscelino, Jânio, Jango, e os governos militares.

Na caminhada de 1945 aos nossos dias, Demócrito morto, muitos morreram, muitos presos, muitos cassados. Mas aquele rapaz de sempre vinte anos ficou em cada um de nós, nos sustentando, não nos deixando envelhecer. Como uma consciência. Foi esse rapaz que fomos comemorar hoje, novamente juntos.

*Advogado, escritor, jornalista, foi prefeito de Garanhuns, deputado estadual e secretário do governador Miguel Arraes.

Recife | 28 de Fevereiro de 1981.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...