quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Uma flor que não secou


Maria Maura de Melo*

Foi uma tarde de abril, me lembro ainda

Pedacinhos de nuvens bordavam o firmamento.

Perto de mim, nunca te vi tão linda!

Quando fizeste aquele juramento.


No coração dizias: eu sou feliz!

Nada mais quero, somente o teu amor

E como um timbre real que tudo diz,

Me ofertaste aquela linda flor.


Tudo passou! Não varri do pensamento

As nuvens que bordavam o firmamento, 

É aquela flor que ainda vejo em tua mão.


Temendo então que aquela flor secasse

E o amor jurado um dia acabasse

Guardei-a dentro do meu coração.

Águas Belas | Ano 1986.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa mapeia situação de controle interno dos municípios brasileiros

A Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) lançou, nessa segunda-feira (27), o “Diagnóstico dos Controles Internos...