quarta-feira, 30 de março de 2022

Bairro Magano

Valdir Marino

A palavra Magano

Figurando brincalhão

Jovial e travesso

Nomeou o bairro então

No topo da colina

Entre nuvens e neblina

Recebendo civilização


Negros engraçados espertos

Que dos Palmares fugia

A mando de Zumbi

Por ali estabelecia

Contraforte negreiro

Homem de coragem guerreiro

Comunidade de gente bravia


Depois de várias lutas

os negros deixaram o lugar

Mais ficou a eles dedicado

magano bairro popular

Das colinas a mais alta

No alto daquela mata

Onde o Cristo foi morar


Do alto do Magano

Os olhos a contemplar

A Suíça Pernambucana

A neblina a esfriar

A Serra branca ao lado

Por Deus foi lhes dado

A água mais pura do lugar


É ali que o exército

Faz manobra de guerra

Com soldados, armas e fuzil

No alto daquela serra

Escreveu-se a história 

Dos negros a memória

Que o tempo não encerra


O bairro do Magano

Ganhou ponto turístico

No Cristo Crucificado

Ponto alto magnífico

Turista de toda parte

Vai visitar fazer arte

Escalar a história sem risco


De objetos voadores

Centro de observação

Na passagem do meteorito

Ali se viu o clarão

Conhecido dia do estrondo

O meteorito foi impondo

O fim da população


Foi apenas um susto

Magano bem visitado

População por toda parte

Residências e comércio "aprovado"

Bairro querido na cidade

Preservando sua identidade

Nos escritos e livro guardado.

Garanhuns | Ano 2019.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa mapeia situação de controle interno dos municípios brasileiros

A Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) lançou, nessa segunda-feira (27), o “Diagnóstico dos Controles Internos...