sábado, 26 de março de 2022

Garanhuns


José Hildeberto Martins

GARANHUNS, t'espraias tão linda

sobre montes vales.

Tuas colinas são verdes,

os campos floridos...

Malgrado o frio,

ó Musa dos nobres vates,

contudo aconchegas terna

todos como filhos queridos.


Coração de inefável amor,

Excitando a fraternidade.

natureza conjugada, primor,

Vestal nativa, latina,

suave fragrância feminina.

És mitológica naturalidade,

romântica, muito especial,

pelúcia de rosa, joia fina.


Se nas alturas desfilas

em deslumbramento, ´

perfil da mais ditosa noiva

de grinalda e véu,

foram os deuses que, 

em supremo arrebatamento,

te elegeram refulgente estrela do céu.


GARANHUNS, fascinação

do desabrochar.

Pelas tuas colinas

alternadas com rima,

ecoa cheia de vigor

sonora canção ao mar.

Lira perfeita, maravilhosa,

fruto da inspiração divina.


Tua é a vocação para brilhar

matizada pelo mercúrio.
Paraíso lilás, açafrão,

azul, furta-cor.

Fonte de água cristalina,

magia de gerar antúrios;

aroma que desperta a paixão,

inspirando beija-flor.


Que permaneças

pelos séculos altaneira,

doce realeza, gigante,

gentil e boa.

Que te mantenhas agora

e sempre hospitaleira,

querida e adorada

herança de Simôa.

Garanhuns | Ano 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa mapeia situação de controle interno dos municípios brasileiros

A Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) lançou, nessa segunda-feira (27), o “Diagnóstico dos Controles Internos...