quarta-feira, 2 de março de 2022

História de Garanhuns

Miguel Calado Borba - Um dos descendentes de Joaquim Salgado de Vasconcelos, em 1922 era Delegado do Ensino Estadual em sua terra natal, Angelim. Em  1930, fazia parte, no seu município, do grupo revolucionário oposicionista do governo de  Washington Luís. Em 1932 tornou-se Prefeito de Angelim . Fazendeiro, de mentalidade evoluída, instalou na sua propriedade São Miguel, uma usina de beneficiamento de café, pois estava convicto de que o feito iria representar um marco de desenvolvimento na terra de Sigismundo Gonçalves.

A família de Miguel Calado compunha-se da esposa Josefa e dos filhos: José Calado Borba (Zé Calado), negociante em Garanhuns, político na terra natal (Angelim), onde ocupou o cargo de Prefeito por duas vezes - quando batalhou para a implantação do sistema de comunicação telefônico e, nas horas de folga, era o radioamador, com o seu "alô macanudo", formando com Jaime Luna, Mário Falcão, Manoel Teles e outros a equipe amadorista da Petrópolis Pernambucana. Dentro do esquema "crescei e multiplicai-vos" chegou a marca de 14 filhos; o mano Germano encaminhou-se para a profissão de engenheiro agrônomo; o João Calado, advogado, poeta, é um dos notários públicos de  minha cidade natal; a mana Maria casou-se com Manoel Paes, fazendeiro em Brejão, criando boi debaixo do cafezal e a família na trilha do cunhado José, - uma dúzia, tendo, Luís Siqueira, como genro, o homem de SUAPE. (Fonte: Os Aldeões de Garanhuns | Alberto da Silva Rêgo | 1987).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...