sexta-feira, 18 de março de 2022

O líder

Existe uma tendência bem acentuada, no sentido de se organizar escola de liderança. Nada mais vulgar do que se pretender ensinar forma de denominação baseada no  prestígio pessoal.

O líder não se faz, não se  fabrica. Ele nasce com características próprias. Surge naturalmente de acordo com as circunstâncias. Muitas vezes, do jogo livre de certas paixões incontroláveis, o mundo vê, aqui ou além, surgir figura carismática de  estadista, que se for fiel à  sua vocação poderá traçar rumos definitivos no tempo e no espaço. Não adquiri os  caracteres mesológicos, embora reconheça que o meio tem muita influência. Influenciar é uma coisa e definir as condições, é outra. A imposição do meio quando chega atingir às raias de sua  força não cria um líder. Gera um medíocre sem força de decisão.

Não há nada mais prejudicial ao desenvolvimento da  capacidade humana, do que  o medíocre que pretende  liderar. Por incrível que pareça esses caricatos merecem respeito. São figuras pontilhadas de luz e sombra. São aves migratórias no contexto da paisagem política, prestes a levantarem voo em busca de paragens mais  quentes.

O que constitui o líder, propriamente dito, e é sem dúvida, a faculdade. A esse respeito ele pode ser mais ou menos desenvolvido. O ponto culminante conquistado pelo condutor das massas é a maneira elegante de conduzir o diálogo. Jamais se afasta das competições. A sua presença transforma tudo que lhe rodeia. Não provoca e nem aceita provocação. O lado negativo de sua personalidade só existe como temática da própria condição de ser humano. É um  centro de sanidade no meio conturbado pelas opiniões. Guiado pelo bom senso, o  seu juízo é claro e as atitudes são definidas. Os falsos são sempre anti-líderes... Quando concentram o poder em suas mãos, não há mais para eles senão inimigos. Vivem sempre em deslocamento físico, fugindo de todos, e de si mesmo como se estivessem constantemente atacados.

Desconhecem que o companheiro é quem come o mesmo pão. E, o pusilânime é quem tem a alma pequena e mesquinha. O verdadeiro líder é sempre atencioso e  solícito. A sua palavra convence e estimula o desejo de servir. O perigo da insegurança se tornará irresistível na medida em que faltar a  coragem de enfrentar a mudança das estruturas de  escravidão. Para tanto é imprescindível que o homem que se propõe a ocupar cargos de direção, rompa a crosta de egoísmo.

E, de braços abertos revele que a humanidade de todos os recantos do mundo e a da sua comunidade já se encontra num período de  crescimento. Esse assunto é sugestivo, e vale a pena ser  meditado, pelos nossos políticos, a fim de melhor  enfrentarmos problemas, mistérios, e desafios dos tempos atuais.

*Dr. José Francisco de Souza | Advogado, jornalista, cronista e historiador | Garanhuns, 14 de Maio de 1977.

Foto: José Cardoso da Silva. Foi um dos maiores líderes populares da história de Garanhuns. Lutou contra a Ditadura Militar (1964-1985), e sempre esteve ao lado dos mais pobres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...