domingo, 3 de abril de 2022

As celebrações do status de cidade

Por Manoel Neto Teixeira*

Garanhuns retomou as celebrações da sua condição de cidade (completou 143 anos no último dia 04 de fevereiro de 2022). Vale lembrar que a elevação de vila (1811) para cidade deu-se através da lei 1.309, aprovada pela Assembleia Legislativa do  Estado, conforme projeto da autoria do  deputado Silvino Guilherme de Barros, mais conhecido como Barão de Nazaré.

Na edição 111 desta revista cultural (O Século) o editor João Marques, a propósito dessas comemorações, elenca dez fatos relevantes da história  de Garanhuns, entre os quais, a criação do Festival de Inverno, em 1991, pelo então prefeito Ivo Amaral, que cumpria o seu segundo mandato à frente do Executivo municipal. Na sua primeira gestão, foi  celebrado o centenário da elevação ao status de cidade (1979), com uma extensa programação cultural, destacando-se a entrega do título de Cidadão de Garanhuns ao carismático Frei Damião.

Esses e outros fatos estão registrados no livro de nossa autoria, GARANHUNS, ÁLBUM DO NOVO MILÊNIO (1811-2016), às páginas 74-75), que reproduzimos aqui, pela sua relevância e abrangência, no tempo e espaço:

"O centenário de elevação político-administrativo de Garanhuns à condição de cidade (04.02.1879) foi exaustivamente comemorado, envolvendo a população e as autoridades constituídas, em torno de ampla e diversificada programação. Além de shows musicais, inauguração de obras públicas e ventos socioculturais, houve uma série de palestras e cargo de personalidades de destaque da cultura pernambucana  brasileiro, como Gilberto Freyre, Costa Porto, Mauro Mota, José Brasileiro Vilanova e Rubens Costa.

O então prefeito Ivo Amaral, que cumpria o  seu primeiro mandato à frente do Executivo, elaborou uma programação que  marcasse esse centenário, destacando-se, entre outros, a cerimônia de outorga do  título de "Cidadão de Garanhuns" ao beato frei Damião de Bozzano, cujas missões arrebatavam multidões pelo interior do  Nordeste.

Noticiado pela Imprensa da terra e pelos jornais da capital, a chegada de frei Damião atraiu milhares de pessoas, entre admiradores  devotos do frei capuchinho, além das  autoridades civis, religiosos e militares.

A cerimônia de entrega do título foi realizada no saguão do Palácio Celso Galvão reunindo, além do prefeito Ivo Amaral, vereadores, o bispo da Diocese, Dom Thiago Póstma, o comandante do 71º BI, coronel José Maria do Aragão, secretários municipais, entre outras autoridades e grande público. Discursaram o prefeito, o  vereador e jornalista Antônio Edson, autor da proposta de concessão do título, e o  próprio frei Damião.

Ainda como parte da programação oficial, houve o lançamento da 8º edição do livro MARIA PERIGOSA, de autoria do escritor garanhuense Luís Jardim, sob o patrocínio da Prefeitura de Garanhuns."

Garanhuns está situada no chamado Planalto da Borborema e seu território foi concedido em forma de Sesmaria pelo  então governo da Capitania de Pernambuco, em dezembro de 1658, aos mestres de  campo Nicolau Aranha de Farias e o capitão Cosme de Brito Cação.

Esse imenso território começava no rio Canhoto, na confrontação da parte leste do sítio denominado Tiririca e, em rumo para o sul, até o riacho Conceição, limitando-se com terras que depois foram concedidas formando a Sesmaria dos  Burgos. A escritura dessa concessão está registrada no sétimo livro da Fazenda Real da Capitania de Pernambuco, à folha número 138, em 11 de outubro de 1678.

Com o destroçamento da chamada "República dos Palmares", que tinha como principal líder o carismático Zumbi, os negros que escaparam ao cerco fugiram para as bandas do norte e oeste de Pernambuco, conseguindo novas organizações também em forma de Quilombos, inclusive nas terras de Garanhuns, a exemplo do  Quilombo do Magano, logo depois destruído pelo mestre de campo Domingos Jorge Velho, por determinação oficial.

Garanhuns está situada nos limites das zonas Agreste e Sertão. Seu imenso território foi sendo desmembrado em  novos povoados e vilas, hoje transformados em municípios-cidades, a exemplo de  Correntes, Bom Conselho, São Bento do  Una, Capoeiras, Caetés, Serrinha, São João, Belo Jardim, entre outros. Com tais desmembramentos (emancipações), Garanhuns é hoje um dos menores municípios do Agreste Meridional de Pernambuco. Sua população, segundo o último Censo de IBGE (2010) está em torno de 135 mil habitantes, com mais de 90% habitando a zona urbana, posto que restaram-lhe apenas os distritos de São Pedro, Miracica e Iratama.

Concluo evocando o poema "Sertaneja", do livro RECOMEÇO, do jornalista e poeta Mauro Sales, por simbolizar um tanto a alma de sua gente:

A flor do mandacaru

Enfeita o rosto moreno

Na paisagem do sertão.


Poeira vermelha esconde

O verde das palmas

Dos cactos

E os arreios sem brilho

Dos cavalos.


Não há ciganas

Nem cangaceiros

Lá onde a moça nuinha

Aguarda as dobras da noite

Sob o manto fiel

Dos vagalumes.

*Manoel Neto Teixeira, autor, dentro outras, da obra GARANHUNS, ÁLBUM DO NOVO MILÊNIO (1811-2016), é membro da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas, Cadeira 44).

Transcrito da Revista Cultural O Século | Diretor/redator João Marques dos Santos | Março de 2022.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

Por Daniel Mello Cada vez mais empresas estão recorrendo à redução do tamanho das embalagens e à mudança na composição dos produtos para rep...