quinta-feira, 7 de abril de 2022

Cepe relança o livro “Estrelas de couro: a estética do cangaço”, no Cais do Sertão

Esgotado nas livrarias, com exemplares raros vendidos por cerca de R$ 1 mil, o livro “Estrelas de couro: a estética do cangaço”, do historiador Frederico Pernambucano de Mello ganha 4ª edição revista pela Cepe Editora. O lançamento acontece dia 13 de abril, às 18h, no mezanino do Museu Cais do Sertão, Espaço Todo Gonzaga, no Bairro do Recife.

O livro aborda os símbolos da estética do cangaço, com seus trajes, armas e utensílios domésticos adornados com muitas cores e signos característicos, e é resultado de mais de 40 anos de pesquisa do historiador sobre o tema. A obra também cobre uma lacuna literária brasileira. “Não há muitas publicações sobre estética no Brasil. Quase sempre o que se encontra são absorções locais de temáticas estrangeiras”, afirma Frederico.

A grande importância da obra é ressaltada pelo escritor Ariano Suassuna (1927- 2014), no prefácio mantido desde a primeira edição, em 2010.“E se há no cangaço um elemento épico, este é ainda exacerbado pelos trajes e equipagem dos cangaceiros, com os seus anéis e medalhas, seus lenços coloridos, seus bornais cheios de bordaduras, os chapéus de couro enfeitados com estrelas e moedas — tudo isso que se coaduna perfeitamente com o espírito dionisíaco de dança e de festa dos nossos espetáculos populares e compõe uma estética peculiar, rica e original, agora minuciosamente estudada por Frederico Pernambucano”, escreveu Ariano.

Intercalado por vasto repertório ilustrado, o livro traz fotografias de Lampião e seus asseclas, notas explicativas ao final de cada um dos sete capítulos que compõem a obra de 300 páginas, com direito a apêndice em inglês e extensa bibliografia. Além das fotos do acervo de objetos da coleção particular do autor – considerada “a mais completa, rigorosa e rica dentre quantas existem no país sobre o assunto”, diz o próprio Frederico. O livro traz ainda xilogravuras de Jota Borges, capas de revista e obras de arte sobre a temática do cangaço.

A escrita dos textos se deu após muitos estudos e viagens ao Sertão, onde Frederico recolheu depoimentos de remanescentes do que ele chama de “ciclo histórico do cangaço”, ocorrido entre as décadas de 1920 até 1938, ano em que Lampião e os cangaceiros foram mortos. Ao iniciar a pesquisa, Frederico formou sua coleção particular, já apresentada em São Paulo, Rio de Janeiro, Chile e Inglaterra. Como resultado do trabalho, o historiador destaca a necessidade de ampliar o conceito de banditismo que se utilizava até então.

“Por muitos anos, o cangaço foi apenas sinônimo de “banditismo rural”, como a ação dos beatos sertanejos foi apenas uma expressão de “fanatismo religioso”. Os antigos soldados de volantes policiais que escreveram memórias demonizavam o Cangaço sem atenuantes. Os marxistas o exaltavam como “resposta aos excessos do coronelismo”, esquecidos de que coronel e cangaceiro formavam no sertão uma simbiose, auxiliando-se mutuamente, apenas se desentendendo de forma episódica”, explica o autor.

Símbolo de resistência, o cangaço é o repúdio à adoção dos valores ditados pelo europeu colonizador à custa de sangue – o que ocorreu igualmente em muitas revoltas pelo país, como o massacre ocorrido em Canudos. “Com efeito, houve um Brasil que, desde a origem, não se dobrou aos valores europeus trazidos pelas caravelas – ao mercantilismo, à pontualidade, ao tempo linear, à acumulação de riquezas e de alimentos – e se manteve irredento. Arredio a tudo isso, por atitude ou militância até mesmo armada”, reflete Frederico, que no livro aponta a destruição da cultura dos insurgentes pelo governo brasileiro, ato que apaga a história e, portanto, a memória. “Quantos dos nossos museus não estão rindo com dentadura postiça?”, escreve o especialista.

O capricho que o cangaceiro confere a suas vestes é comparado ao dos cavaleiros medievais europeus e aos samurais orientais. “O traje do cangaceiro é um dos exemplos demonstrativos do comportamento arcaico brasileiro. Ao invés de procurar camuflagem para a proteção do combatente, é adornado de espelhos, moedas, metais, botões e recortes multicores, tornando-se um alvo de fácil visibilidade até no escuro”. Essa contradição se explica pela crença no sobrenatural “em nome do qual ele exerce uma missão, lidera um grupo, desafia porque se acredita protegido e inviolável e, de fato, desligado do componente da morte”, explica o historiador. Ele acrescenta também que Lampião e seus companheiros eram afeitos a itens de luxo, como lenços de seda, perfume francês e óculos alemão.

As primeiras representações do cangaço na arte, porém, contrariam sua aparência colorida e cuidadosa, confeccionada pelo próprio cangaceiro em máquina de costura. Frederico cita como exemplo dessa distorção a série de quadros de Portinari, a qual chamou de ideologicamente bem-comportada. Para Frederico, Portinari foi “um crédulo nas cores castradas com que os mexicanos deram as costas à realidade festiva do povo, sem exclusão de seus bandidos celebrados, para se manterem fiéis ao ideal político de dar vida a um guerrilheiro supostamente sofredor e opaco, substitutivo proposto à exuberância plástica do bandoleiro real cheio de cores, no afã de produzir o ícone de que os marxistas necessitavam no campo”, critica o historiador. Para ele o cangaceiro na arte só ganha sua fiel representação no final dos anos 1950, com nomes Aldemir Martins e Raul Córdula. “Ganhará cores mais fortes com Carybé, chegando ao detalhe estético apenas em 1984, com José Cláudio”.

No momento, Frederico atua como consultor da Globoplay, que está desenvolvendo a série “Guerreiros do Sol”, sobre Lampião e Maria Bonita. A previsão de estreia é para 2023.

Serviço

Lançamento do livro “Estrelas de couro: a estética do cangaço” – Frederico Pernambucano de Mello

Quando: 13 de abril de abril de 2022 (quarta-feira), às 18h

Onde: Mezanino do Museu Cais do Sertão, no Espaço Todo Gonzaga (Bairro do Recife)

Preço: R$ 120 (livro impresso); R$ 48 (e-book)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ivo Amaral - O Senhor do Festival

Ao completar 88 anos Ivo Amaral continua sendo uma das maiores referências política e cidadã do  Agreste Meridional. Sim, se Garanhuns compo...