segunda-feira, 11 de abril de 2022

História de Garanhuns

Indústria e Comércio (Década de 1960) - A indústria aqui é pouco desenvolvida. Para a produção de artigos que, além de proverem as necessidades locais, são exportados; existem no Município os seguintes estabelecimentos fabris: quatro fábricas de vinhos de frutas; caju, jenipapo, abacaxi, jurubeba, etc. - uma fábrica de refrigerantes - guaraná e laranjada; duas de mosaicos; uma de maletas de fibra; cinco de móveis, duas de colchões de molas; uma de sabão; uma de balanças decimais; uma de arados; três manufaturas de carrocerias de caminhão e ônibus; duas de carros de bois; quatro de engarrafamentos de aguardente e uma de água mineral.

Para a produção de artigos destinados ao consumo local, existem os seguintes estabelecimentos fabris; engenhocas de rapadura; três moinhos de milho; três alambiques de aguardente; quatro torrefações de café; vinte e quatro panificadoras; uma fábrica de macarrão; uma fábrica de gelo; algumas de guloseimas e  pastelarias e várias olarias.

Como dissemos, na discrição do desenvolvimento agrícola, existem aqui três usinas de beneficiamento de algodão; duas de beneficiamento de café além de doze aparelhos - máquinas São Paulo - também de beneficiar esse produto. Também há aqui uma fábrica de óleo bruto de sementes de algodão, que é exportado para refinarias e de farelo dos resíduos das sementes e ainda, uma  de agasalhos de malhas. Pela firma industrial Costa Herculano & Cia. está sendo concluída a montagem de uma fábrica de óleo de rícino e sabão.

Atualmente, exceto as existentes nos distritos, existem na cidade: trinta e  cinco oficinas de conserto de automóveis; sete de rádios e quatro tipografias, além das de ferreiro, carpinteiros, marceneiros, flandeiros, relojoeiros, sapateiros, ourives, soldadores e eletricista a oxigênio.

O contrário do que acontece sobre o desenvolvimento industrial o comércio é bem desenvolvido, compondo-se atualmente para as vendas em grosso dos  seguintes estabelecimentos: quatro depósitos de tecidos; dois de álcool; dezesseis de açúcar; cinco de sabão; um de farinha de trigo; dois de biscoitos e bolachinhas; um de cigarros (Souza Cruz); um dos produtos da Cia Antártica Paulista; dois de doces; duas drogarias; seis depósitos de estivas e três de couros, solas e aviamentos para sapateiros. Para a venda em grosso e no retalho; seis  lojas de miudezas; quatro de ferragens; oito de cimento; oito de bebidas; dez de móveis; uma  de sacos vazios e cofres de ferro; uma de perfumes; duas de  missangas e dezessete de estivas.

Para vendas somente a retalhos: vinte e três lojas de tecidos; onze de miudezas; cento e trinta e três mercearias; oito lojas de calçados e chapéus; quatro livrarias; doze farmácias; uma agência de automóveis da Willys Overland do Brasil.

Uma das máquinas de costuras (Singer); três de outras marcas; quatro joalherias; seis fotos e materiais fotográficos; quatro lojas de material elétrico; onze de peças e acessórios para automóveis duas de pneumáticos e câmaras de ar; uma agência de televisores; quatro de rádios; dez postos de gasolina, óleo, etc; quatro lojas de roupas feitas; um mercadinho, e um armazém de compra e venda de cereais, mamona, algodão em rama, café, etc; quatorze hotéis; vinte bares, cafés, restaurantes, casas de lanches etc; vinte e três tavernas, inúmeros ambulantes; seis escritórios de representações e conta própria.

Firmas exportadoras: sete de café, três de algodão em pluma; seis de mamona; duas de sementes de algodão; uma de bebidas refrigerantes (Serrano); três de aguardente cinco de vinhos de frutas e uma de mosaico.

Há aqui uma agência da Caixa Econômica Federal. Cooperando para o desenvolvimento da região, existem aqui, atualmente sete estabelecimentos bancários: Banco do Brasil, Banco do Estado, Banco do Povo, Banco Nacional do Norte, Banco da Lavoura de Minas Gerais, Banco do Nordeste e Banco Econômico da Bahia - ainda no plano industrial, temos a registrar a fábrica de leite em pó (Mococa) - Garanhuns Industrial S. A. (GISA). (Fonte: Alfredo Leite Cavalcanti | História de Garanhuns | Volume II | Garanhuns, Fevereiro de 1973).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...