quarta-feira, 6 de abril de 2022

História de Garanhuns

Baile na sede do Sport Club de Garanhuns, Praça Souto Filho na década de 1930. 

Carnaval da Alta Sociedade -  Antes do aparecimento da AGA, fundada em 1930, a vida social e  esportiva de Garanhuns, pertencia ao Sport e Comércio, especialmente nas festas de São João e Carnaval..

O Sport, quando ainda não tinha sua sede social, em prédio próprio na Praça Souto Filho, construída na gestão do médico Luiz da Silva Guerra, fazia os seus bailes nos salões do Paço Municipal, na Rua Santo Antônio, decorado especialmente para os festejos.

O Comércio, teve sua sede por vários anos, no segundo andar, do  edifício do "Brasil Chic", esquina da Avenida 13 de Maio com a Rua Santo Antônio, porém, as suas festas maiores se realizavam nos salões do  Cinema Trianon, notadamente seus bailes de Carnaval, quando o seu Presidente foi o médico Tavares Correia.

Em verdade, tanto o Sport como o Comércio, tiveram sua fase áurea, sob a responsabilidade dos dois médicos de Garanhuns: Luiz Guerra e Tavares Correia, amigos inicialmente, porém depois tiveram um desentendimento por questões da política partidária local.

Ambos eram amigos de nossa família, e Luiz Guerra, chegou a ser  padrinho de batismo de um dos meus irmãos.

Os dois frequentavam quase diariamente a nossa casa. O desentendimento de ambos ocorreu, salvo erro, engano ou omissão, no ano de  1931, quando Tavares Correia, exercitava também a política local ocupando o cargo de Conselheiro Municipal, e meu pai já havia falecido.

Os bailes tinham concursos de fantasias e as vezes era costume, o uso do "cotillon", ou seja, as damas usavam uma pequena caderneta onde anotavam o nome dos seus pares para as danças, pois a orquestra sempre fazia intervalo entre uma música e outra, muito diferente de hoje, quando se toca seguidamente, até a exaustão dos dançarinos. Quando ainda se dança!...

Os concursos escolhiam os pares mais em evidência, e sempre se destacavam, o dentista e depois médico João da Silva Brasileiro e sua senhora Georgina Brasileiro, de tradicional família de Palmares, chamada na  intimidade de Géo; Tancredo Ferreira e  sua senhora Gentil Ferreira; Lilia Viana, (Sra. Eurico Pontes Lira), filha do casal Álvaro Viana, teve prêmio especial com sua fantasia "Tio Sam". Nos bailes e festas a presença sempre marcante de Zezé e Carmem Dourado, filhas do Cel. Euclides Dourado (várias vezes Prefeito de Garanhuns); Carmem, Brunehilde e Aracy, filhas de Tranquilino Viana e prof. Elvira Farias Lopes Viana; Graciete e Djanira Branco e tantas outras que faziam o "Grand Mounde" de Garanhuns; Hibernon Wanderley, fantasiado de Marajá da Índia, Tavares Correia e Antonio Paulo Filho de  "Pierrots pretos", nos bailes do Comércio.

Em 1927, formou-se um bloco de carnaval com as famílias mais destacadas de Garanhuns, a frente as senhoras Audifax de Aguiar, Antonio Pedrosa, Ivo Rangel e Humberto Câmara, com o nome de "bloco das Tirolesas" orquestra mista de cordas e sopro, muito entusiasmo e alegria. Aconteceu que na segunda-feira de Carnaval de 1927, a data coincidiu com o aniversário do meu pai, e a nossa casa se encheu logo pela manhã e quase todo o dia e parte da noite, com as "Tirolesas" que  ali mandaram todo o tempo,

Assim era a vida social de Garanhuns, até o aparecimento da AGA, ou melhor da Associação Garanhuense de Atletismo, com sede própria na rua do Recife. Seu espetacular Carnaval de 1934, terminou antes do tempo, pois o violento incêndio, provocado pelo magnésio de uma fotografia, atingiu o mundo de serpentinas, que predominava em sua decoração, e a festa terminou quando grande era o entusiasmo e alegria.

A AGA, foi reconstruída, meses depois com maior entusiasmo dos seus associados, não mais na Rua do Recife, mas, no bairro de Heliópolis, em amplo terreno, na sua avenida principal. (Fonte: Alfredo Vieira | Garanhuns do Meu tempo | Ano 1981).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...