terça-feira, 5 de abril de 2022

Médico sanitarista e epidemiologista Jarbas Barbosa vai receber título de Doutor Honoris Causa da UFPE

O médico sanitarista e epidemiologista Jarbas Barbosa da Silva Júnior vai receber o título honorífico de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O título é destinado a professores ou cientistas de notório reconhecimento, não pertencentes ao quadro da Universidade, e que tenham prestado relevantes serviços à instituição ou ao desenvolvimento do ensino, da ciência, da tecnologia ou da cultura. A proposta foi apresentada pela Área Acadêmica de Medicina Clínica do Centro de Ciências Médicas (CCM) e a concessão foi aprovada por unanimidade na última reunião do Conselho Universitário (Consuni), realizada na quinta-feira (31) à tarde, no Auditório Ricardo de Carvalho Ferreira, no Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN).

O médico obteve seu curso de graduação no ano de 1981 na Universidade Federal de Pernambuco (1981), possui cursos de especialização em Saúde Pública (1983) e em Epidemiologia (1988) pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz. Realizou os cursos de mestrado em Ciências Médicas (1995) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Conforme destacado em seu currículo Lattes, possui experiência nacional e internacional em temas referentes à saúde pública, epidemiologia aplicada aos serviços de saúde, vigilância em saúde, prevenção e controle de doenças e agravos e gestão de sistemas de saúde.

Jarbas Barbosa iniciou sua carreira profissional no campo da saúde pública na Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES/PE), tendo sido coordenador do Programa de DST-Aids da SES/PE de 1987 a 1989. Ocupou o cargo de diretor do Centro Nacional de Epidemiologia do Brasil (Cenepi), onde liderou o Sistema Nacional de Vigilância, Prevenção e Controle Sanitário do país, de 1997 a 2003. Foi secretário de Vigilância em Saúde entre 2003 e 2006 e secretário executivo (2006) do Ministério da Saúde. No ano de 2007, ingressou na Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS), como gerente de Vigilância em Saúde e Manejo de Doenças, cargo que ocupou até 2010.

De 2011 a 2015, trabalhou no Ministério da Saúde, primeiro como secretário de Vigilância em Saúde e, posteriormente, como secretário de Ciência, Tecnologia e Suprimentos Estratégicos. Foi o representante do Brasil no Comitê Executivo da Opas/OMS de 2011 a 2014, tendo exercido a Presidência desse órgão diretivo entre 2013 e 2014. Foi também o representante do Brasil no Conselho Executivo da OMS nos anos de 2013 e 2014, quando assumiu a vice-presidência desse órgão, mandato que durou até 2015. De 2015 a 2018 foi diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Desde 2018, é subdiretor da Opas e da oficina regional para as Américas da OMS.

Possui artigos, capítulos de livros e livros nas áreas de Saúde Pública, Epidemiologia e Gestão Pública da Saúde, nos quais é autor e coautor. Por seu reconhecimento nacional e internacional, tem ministrado palestras, conferências e participado de mesas-redondas sobre diferentes temas relacionados à saúde pública. Em meio à pandemia de covid-19, o médico tem sido procurado por diferentes instituições e imprensa nacional para debater e prestar esclarecimentos à população brasileira quanto aos cuidados com a doença, vacinas e medidas sanitárias adotadas pelos agentes públicos do país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...