domingo, 3 de abril de 2022

O Corredor

Ulisses Pereira - Médico

Este não é um conto feliz. O corredor estava deserto. Quem conhece ou simplesmente já viu, sabe como é em um hospital, tem uma hora que tudo cessa. Há pouco movimento. Mesmo assim, ouve-se sons. Um carrinho é arrastado, uma ampola de vidro é  quebrada, um bip insiste em disparar, uma  cadeira arranha o chão, um motor é ligado... e uma janela que não foi fechada, pode bater.

Pela porta entreaberta de um quarto na penumbra, um homem está sobre um leito, dormindo. Próximo, numa poltrona, um moço vela o sono do idoso e contempla sua face. O  doente, no leito, é só uma sombra do que fora. Seus cabelos ralos quase não existem mais, pelo tempo e pela ação das sucessivas sessões de quimioterapia. O rosto magro emoldura os  grandes olhos cerrados. As olheiras são acentuadas. Atualmente, ele mal enxerga. Está barbeado. Este é um cuidado do jovem ao lado. As  sobrancelhas levemente arqueadas e a testa  vincada pelo tempo e pelas dores. Emagrecido e descorado. Nos braços, os hematomas violáceos das punção e a púrpura senil. As mãos são longas e aristocráticas. E ele as amava. Escrevia muito. Dissera que aprendeu a ler e escrever aos três anos de idade. A mão direita livre, sob um pequeno travesseiro, é segurada pelo homem jovem, um tipo alto, queimado de  sol. Forte, tinha uma barba densa, aparada. O cabelo escuro e os olhos castanhos completavam a bonita figura. Velava o sono débil do idoso, que pedira pra não ser reanimado. Ele  compreendia bem o significado da expressão "fora do protocolo de tratamento". Não queria para si as medidas fúteis. Na madrugada, abriu os olhos e disse baixinho: "não verei mais o próximo dia, sinto muito frio". O moço acendeu a luz da cabeceira. Puxou a manta aveludada . Checou as meias e os pés. Abaixou a  cabeça e beijou seu amigo na face e na fronte. Ele tocou a sua barba. O cuidador se debruçou com muito zelo, sobre o ancião e o abraçou. Lembro dos tantos anos, nos quais o  amigo e hoje também, seu mestre, fizera o  mesmo. Ele o salvara de si mesmo, tantas vezes. Quanta coisa ele devia àquele homem! Então sentiu a mão cair ao lado do corpo e o  seu valente coração parar. Sem poder fazer nada, trouxe as mãos dele até o seu peito. Beijou-as, seguidamente, bem como sua face. As lágrimas vieram quentes. O quarto estava mais  frio. Ele ficou ali debruçado sobre o maior de  seus poucos amigos. O bipe agora disparava no  monitor, quebrando o silêncio. As enfermeiras entraram rápido, o carrinho foi arrastado, um médico de óculos grossos entrou, um segurança se pôs a porta. Tiraram o jovem dali. Ele, então, se viu olhando pela janela esquecida aberta, onde os primeiros raios de sol se levantavam no nascente. Os passarinhos acordavam nas árvores do pátio e cantavam. Soprava uma  brisa perfumada de um pé de jasmim em flor. Ele respirou fundo a seguiu caminhando pelo corredor, finalmente compreendera o verdadeiro significado de amizade e amor. Ele os  tivera, até aquele dia.

P.S. Eu avisei, que era um conto triste!

Garanhuns-PE, madrugada de 24 de maio de 2021.

Transcrito da Revista Cultural 'O Século' | Março de 2022 | Diretor/redator João Marques dos Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

30º FIG homenageia Ivo Amaral e Marcílio Reinaux

Blog do Carlos Eugênio Garanhuns vive a expectativa do lançamento da programação oficial do 30º Festival de Inverno. Neste ano, a Festividad...