segunda-feira, 4 de abril de 2022

Perdida em pensamento

Teté Quitéria Costa 

Meus olhos vivem uma procura imensa

Onde estás? que não vejo o teu rosto?

sofro, pois não sei tudo que pensas

e vai o tempo e vou perdendo o gosto.


Quando cerro os olhos para dormir.

uma aflição enorme o perito me aflora.

Perdida em pensamentos te vejo, e assim,

o sono diz adeus, a mim, e vai embora.


Quando já bem cedo, de manhã talvez,

em meu pensamento de outrora

pergunto ao pássaro, ao sol mil vezes,

porém nenhum sabe quem és, nem onde estás agora.


Fico a lembrar o primeiro dia que te vi

e o quanto me quiseste em teu olhar.

Neguei o meu amor a ti, porque, não sei:

se vivo eternamente a te procurar.


Talvez jamais te encontre novamente,

mas quero que saibas qual o meu sofrer

e que vou procurar a ti somente,

enquanto eu tiver forças pra viver.

Garanhuns | Ano 1992.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...