domingo, 24 de abril de 2022

Relações Humanas


A respeito de uma observação de nossa querida amiga Lúcia Lessa no Facebook, sobre a foto da festa de inauguração da Rádio Difusora de Garanhuns, comandada pelo seu fundador F. Pessoa de Queiroz nos idos de 1950, com os cavalheiros de gravatinha borboleta e as damas com refinados vestidos longos, tive oportunidade de fazer o comentário abaixo:

“Minha querida Lúcia: QUE FESTA LINDA! Costumo dizer que mesmo nas menores coisas existirá sempre o que chamo a liturgia dos cargos. Sem demagogia barata, essa liturgia impõe um respeito, uma postura, um comportamento que influem muito nas relações humanas. A informalidade que, por vezes, é necessária, não pode se transformar em regra absoluta, sob pena de subversão de valores, de quebras de respeito e hierarquias que, na atualidade, resultam em forte contribuição para a violência que toma conta do mundo inteiro.

As pessoas estão mal-educadas e grosseiras, perderam a civilidade e a cortesia. As pessoas não se saúdam mais, só sabem conversar com os celulares, disputar jogos eletrônicos e não conhecem, sequer, o nome dos seus vizinhos. Estamos perdendo o hábito de simples expressões como: Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite, Muito Obrigado, Com Licença, Por Favor, e vai por aí afora... Avistei, um dia desses, quatro senhoras em torno de uma mesa no restaurante que não trocavam uma palavra entre si, pois estavam totalmente absortas, cada uma, com os ouvidos colados em seus respectivos celulares.

Adotei uma postura que recomendo a todos amigos para manter o bom humor e desanuviar os carrancudos. Sistematicamente, onde chego cumprimento da forma   mais efusiva as pessoas presentes e, com isso, as obrigo a responderem de forma acanhada e, por vezes, um tanto assustadas. A fórmula é maravilhosa. Experimentem nos elevadores, nas escadas rolantes, nas indefectíveis filas de bancos e supermercados que amontoam gente sempre apressada e sôfrega (com justa razão); o cumprimento que manifesto produz um efeito muito bom e me faz um bem danado. Só pra ilustrar: Um dia desses, no acesso à escada rolante do Shopping Center (que estão expulsando as pessoas das ruas e impedindo o convívio humano) estanquei de um lado para dar vez à uma senhora e ela estancou do outro lado para me dar a vez (afinal sou um velhinho!). Criou-se o impasse que só foi vencido quando lhe saudei: "Minha senhora, eu sou tão velho que sou ainda do tempo em que as damas tinham preferência". A proposta foi infalível, ela agradeceu e aceitou a preferência !”

Blog Memórias e Inquietações de Ivan Rodrigues

Garanhuns, quinta-feira, 20 de novembro de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

Por Daniel Mello Cada vez mais empresas estão recorrendo à redução do tamanho das embalagens e à mudança na composição dos produtos para rep...