sexta-feira, 15 de abril de 2022

Secult-PE e Fundarpe homenageiam 80 anos de Arlindo dos Oito Baixos

O sanfoneiro Arlindo dos Oito Baixos completaria, neste sábado (16), 80 anos. Para celebrar a data, a Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) realizam o programa Cultura em Rede Especial, que vai ao ar no Youtube no próprio dia do aniversário do mestre, às 19h.

Arlindo dos Oito Baixos foi reconhecido como Patrimônio Vivo de Pernambuco em 2012. Começou a tocar sanfona ainda menino em Sirinhaém, na Zona da Mata. Seu pai não queria um filho “artista”, por isso, ele trabalhava no engenho de cana de açúcar. Chegou a ser barbeiro também, mas a paixão pela sanfona falou mais alto.

Autodidata, Arlindo também afinava sanfonas e foi assim que conheceu Luiz Gonzaga. A amizade com o Rei do Baião foi firmada e foi Gonzaga, inclusive, que o incentivou a tocar o fole de oito baixos, instrumento mais difícil de tocar que as sanfonas de 80 e 120 baixos. Arlindo tocou 22 anos com Luiz Gonzaga. Até o fim de sua vida, tinha gravado mais de 200 músicas.

Para celebrar esse grande nome da cultura pernambucana, o Cultura em Rede Especial recebe Raminho da Zabumba, filho de Arlindo e um dos maiores zabumbeiros do Brasil, que já se apresentou com nomes como Luiz Gonzaga, Dominguinhos e Nando Cordel, e Arthurzinho, neto de Arlindo e filho de Raminho, que aprendeu a tocar com a sanfona do avô, depois da sua morte, em 2013. Arthurzinho hoje é um dos representantes da nova geração de tocadores da sanfona de oito baixos. O programa traz momentos musicais com os convidados tocando forró. Vitor Ramos, neto de Arlindo, faz também uma participação especial, tocando triângulo.

Diviol Lira, jornalista, músico e atual assessor de Cultura Popular da Secult-PE, é o mediador da conversa. “A sanfona de oito baixos representa uma tradição musical única no Nordeste do Brasil, do jeito de se tocar à manutenção desse instrumento. Arlindo dos Oito Baixos, o Mestre do Beberibe, foi pioneiro. Além dos palcos, dedicou-se ao ensino, afinação e reparos de sanfonas. Em Dois Unidos, no Recife, no quintal de sua casa, criou o Forró do Arlindo, onde, semanalmente, acolhia artistas consagrados e iniciantes da música. Foram mais de 50 anos de carreira dedicados à manutenção e preservação da genuína música nordestina, o que tornou o Mestre do Beberibe uma referência inesquecível para a música brasileira”, diz Diviol, ele próprio, sanfoneiro.

Serviço

Cultura em Rede Especial: Homenagem aos 80 anos de Arlindo dos Oito Baixos

Quando: 16 de abril de 2022 (sábado), às 19h

Transmissão: www.youtube.com/SecultPE | www.facebook.com/culturape

Foto: Blog do Assis Ramalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Coração de Neon" é aclamado pela crítica em Cannes como o "novo cinema popular brasileiro"

A presença do filme “Coração de Neon” em Cannes, na França, pode estar abrindo uma nova fase do cinema brasileiro. A produção curitibana aca...