terça-feira, 10 de maio de 2022

Livro Tempo Feliz - A História da Gravadora Forma

O livro Tempo Feliz – A História da Gravadora Forma, do jornalista e escritor Renato Vieira, com distribuição pela editora Kuarup, chega às livrarias de todo o país na segunda quinzena de maio. O evento que marca o lançamento acontece dia 17 de maio (terça-feira), a partir das 19h, na tradicional Livraria da Vila, localizada à Rua Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, em São Paulo. 

O livro traz uma pesquisa completa sobre a gravadora Forma, um ousado selo carioca fundado pelos jovens Roberto Quartin e Wadi Gebara, que esteve em atividade entre 1964 e 1967, quando precisou fechar as portas por causa de uma dívida astronômica. “Em 2014 conheci o Wadi Gebara, um dos donos da Forma, que tinha toda a documentação sobre a gravadora e queria contar sua história”, conta Renato Vieira sobre o início do processo.

A gravadora lançou importantes discos para a música brasileira como Os Afro-Sambas, de Baden Powell e Vinicius de Moraes, Coisas, de Moacir Santos, Inútil Paisagem, de Eumir Deodato e as trilhas sonoras dos filmes Deus e o Diabo na Terra do Sol e Esse Mundo é Meu entre outros. “Trata-se da história de um sonho que , em termos financeiros, deu errado, mas em termos artísticos ficou e permanece até hoje. Eles eram dois jovens que gostavam de música e apostaram tudo nisso”.

Três anos, no entanto, foram o suficiente para deixar o nome da gravadora, até hoje muito cultuada por colecionadores de discos, na história. Pelo texto também passeiam personagens como Tom Jobim, Stan Getz, Nara Leão e dois novatos que Quartin e Gebara tentaram contratar: Elis Regina e Chico Buarque. O prefácio do livro é do jornalista Julio Maria (autor das biografias de Elis Regina e Ney Matogrosso). O texto de quarta capa é do escritor Ruy Castro, padrinho deste livro. E a orelha é de Cacá Diegues, cineasta amigo de Quartin que acompanhou a história da Forma. 

“É mais que um livro sobre uma gravadora, é um livro sobre a cultura do Brasil. Porque passa pela música que era feita naquele momento, pelo Cinema Novo, por personagens importantes. Espero que ele inspire outras Formas, de outras formas, por aí”, finaliza. 

Mais sobre Renato Vieira: Renato Vieira é jornalista e pesquisador musical nascido em Belo Horizonte, com passagens pela TV Bandeirantes, pelo jornal O Tempo e por O Estado de São Paulo. Fez a pesquisa e edição de Foi Assim, autobiografia de Wanderléa, e a produção de reedições e compilações para as gravadoras Universal e Warner. Atualmente é editor-assistente do site E-Investidor, do Estadão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Secult-PE/Fundarpe divulga resultado final das propostas classificadas do FIG 2022

A Secult-PE e a Fundarpe divulgam o resultado final das propostas classificadas na análise de mérito artístico-cultural do 30º Festival de I...