domingo, 8 de maio de 2022

Poesia

Firmo de Santana

Poesia é no meu pensar de toda hora

A alma de tudo, - vivendo como eu,

É um tôsco altar e o romper da aurora.

É o Cáucaso, é o Abutre, é Prometeu.


É Madalena linda no apogeu

Do fascínio. A fome que implora.

A mão abjeta que o crime escondeu.

A fera que estrangula, a mãe que chora.


É Jesus no cimo atro do calvário,

Manso, na aflição divina, olhando

Com tristura o pecado, o meu fadário...


É o espaço circundado de Céus.

É um raio e um curso d´água formidando.

É a RAZÃO SUMA  do AMOR de DEUS.

Garanhuns, 30 de Maio de 1981.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adelmo Arcoverde lança o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”

O professor pernambucano Adelmo Arcoverde lança, quinta-feira (26), às 16h, o livro “Viola do Nordeste – Da Cantoria A Viola Progressista”, ...