sexta-feira, 24 de junho de 2022

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de maio, esteve ele, com seis homens e duas mulheres, em Mandarraia, arruado a 6 léguas de distância. Atacou a residência do comerciante Zé Berunga, obrigando-o  a entregar-lhe todo o dinheiro que possuía, em castigo do que havia dito, de ter dinheiro, não para dar a Lampião, e sim para persegui-lo. E ainda obrigado a conduzir Lampião em seu automóvel, até o povoado Mimoso, apenas duas léguas de Garanhuns. Aí Lampião deixou o automóvel e se internou na caatinga, passando no dia seguinte por Brejão, de onde tomou rumo desconhecido.

O presidente da Associação Comercial de Garanhuns, Álvaro Viana, telegrafou ao presidente da Associação dos Retalhistas do Recife, Camucé Granja, solicitando seus préstimos junto ao ao governador. Este garantiu a Camucé tomar as providências devidas. Mas 0 2º delegado auxiliar, Etelvino Lins, não deu crédito às notícias. Só admitia se fossem "oficiais", partidas do comandante geral. Acrescentando que a cidade estava suficientemente guarnecida com 25 militares: 4 sargentos, 5 cabos e 16 soldados; que seriam enviados 15 homens para reforço de Garanhuns e Brejão, além de 20 fuzis, e 6.000 tiros para armar a guarda civil da primeira cidade; que Manuel Neto, saindo de Jatobá, se dirigira para Águas Belas com 250 homens sob seu comando; finalmente, que Lampião se internara em Alagoas.


O jornal Diário de Garanhuns, de 28, 29 e 30 de maio, assim como O Monitor, protestaram contra as declarações do governo, publicadas no Diário da Manhã, do Recife, classificando de "invencionistas" as notícias de Garanhuns. Adiantando ser desesperadora a situação da cidade, cujo destacamento "oficialmente" se dizia de 25 praças, mas na realidade, apenas 15 ou 10 havia no momento; que a cidade, despoliciada, sem garantias e sem luz, era teatro de atentados, crimes impunes, furtos vultuosos, chegando mesmo os presos a fugirem da cadeia!...

No dia 30 passou Lampião pelo Sítio Minador, a 6 léguas de Garanhuns, seguindo para São Pedro, povoado do município de Pedra. Aí atacou o fazendeiro Francisco Dionísio, levando nove contos e exigindo que o mesmo assinasse uma promissória de quatro contos. Depois, sempre ziguezagueando, esteve em Guaribas, de Buíque, que faz divisa com Pedra, onde arrecadou a importância de um conto e trezentos dos irmãos Dão e Zeca Vaz, este, genro do coronel Lourenço Tenório. Daí, declarou, seguiria pela ribeira, até Alagoinha, "onde havia muitos cortiços de mel de uruçu, pois os de Moxotó já tinham secado"

Em 2 de junho, Santo Antônio do Tará, de Pedra, onde fez um varejo vultoso de doze contos e desceu até a fazenda Caraíba, ainda no mesmo município. Barrado pelo tenente Zé Jardim, deu a entender que rumava para a Paraíba.

Enquanto o delegado regional sediado em Garanhuns, capitão Miguel Calmon, enviava quinze homens para Brejão e o tenente Ibraim Lira, outro delegado regional, com sede em Rio Branco, deslocava força para Santo Antônio do Tará, os tenentes Luís Mariano e Manuel Neto* demandavam as fronteiras da Paraíba.

Burlando a todos, desceu Lampião para Piranhas, em Alagoas.  Entrementes, Corisco voltando mais "iracioso" a Alagoas, operava em Mata Grande e Dois Riachos.

E, mais tarde, passava Lampião os festejos do Senhor São João em Pão de Açúcar.

Fonte: Lampião, Seu Tempo e Seu Reinado/ Frederico Bezerra Maciel.

Fotos: (1) - Lampião em 1936. Créditos da Imagem: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46491014. (2) - Caminhos de Lampião na sua quarta viagem a Pernambuco. Créditos da Imagem: Frederico Bezerra Maciel.

Festa de São João antiga em Garanhuns


Ao anoitecer apareciam as fogueiras, fogos para as crianças, fogos-de-visita, girândolas em todas as praças e folguedos diversos. Acendiam-se as fogueiras em frente à Matriz, nos pátios das escolas, na "Novo Século", nas casas dos Tenórios, dos Campêlos, dos Soutos, dos Jardins, Travessa "Doutor Garibaldo", no Beco do Engole-Homem, na Boa Vista, até na porta da Cadeia Pública. Cada uma destas fogueiras era defendida pelo grupo de parentes, dos moradores e dos amigos das famílias ali residentes. Elas, na sua maioria, eram protegidas com morteiros de tabocas, bombas de todos os tipos e as "bichas de rabiar", como eram conhecidos os busca-pés de João Fogueteiro, que ardiam e serpeavam pelo chão, jogados contra os que atacavam. Os atacantes formavam um verdadeiro cerco, com bombas ensurdecedoras e busca-pés menores. 

Se os que guardavam as fogueiras não suportavam o ataque e fugiam, ela seria desmanchada e o principal responsável fugia envergonhado. Havia muitos fogueteiros especializados em busca-pés de assobio. Eles faziam essas peças com tabocas de bambus, ainda quase verdes, e conservados em breu por vários dias. Os busca-pés feitos com tabocas finas eram os mais perigosos, pois perseguiam as mulheres, porque leves e com deslocação do ar, provocada por uma corrida de muitos panos, eles acompanhavam a "dona" até terminar a combustão. E como também sabiam correr as mocinhas de então...

Na Vila de São João, poucos quilômetros da cidade, festejavam o seu Patrono com mais simplicidade, com uma festa mais religiosa e mais familiar, com uma bela novena. Missa cantada, desobriga e uma procissão do Padroeiro, pelas duas únicas ruas da vila. Não se via nenhuma rede-de-arrasto. E tinham uma graça especial aqueles festejos, pois seria numa noite mais fria do ano, com garoa caindo e enfeitando as árvores e serras que contornam a localidade. 

Aquela gente boa e simples transmitia a sua alegria natural aos que iam assistir às festas do seu Patrono. Em quase todas as casas soltavam-se balões e enfeitavam-se a sala da frente e os alpendres com bambus e folhagens diversas, flores agrestes, sabugueiros aromáticos e folhas de canela. Em jarras de barro colocavam rosas, alecrim e manjericão.

Que coisinhas boas tinham as casas das famílias de São João, naquela noite. Que umbusada boa, à meia-noite, acompanhada de pamonha, cangica de milho verde e mungunzá, e o indispensável doce de coco.

Com saudades daquele tempo, o nordestino repetia os versos do seu colega Lopes:

"A fogueira foi pegando,

A festa se animando.

Chegou gente como quê

Os balões iam subindo,

As môças passavam rindo...

Mas eu só via Você;

Sem temor e sem receios,

Meus olhos, a tudo alheios,

Tinham ido apreciar

Uma festa mais bonita,

Que havia no teu olhar".

Guardando sempre na lembrança os quadros singelos da sua vida na cidade bucólica do agreste nordestino, muito principalmente do tempo de criança, lembrava-se agora Serapião das fogueiras de Tônia Vieira, que lhe parecem reproduzidos, ainda pegando fogo, nos versos simples de Batista Crêspo, tão conhecidos na sua terra, naqueles idos dos matutos ingênuos:

"Ao clarão da fogueira, as filhas do Rapôso

vão fazendo correr os copos da queimada...

as batatas, o aipim, o melado gostoso,

no alpendre que é toda essa noite encantada.

Meu querido São João,

do vosso triste deserto,

fazei meu santo, fazei

que a minha sorte dê certo".

Distribuindo às moças os papeizinhos coloridos, com galhos de alecrim, Tônia Vieira, dava começo às festas, com a distribuição das comedorias e leitura das sortes de São João. Tudo ali era ingenuidade e não havia enxerimentos.

Fonte: Um Nordestino, de José Pantaleão Santos. (Mantida a grafia da época). Acervo: Memorial Ulisses Viana de Barros Neto

Foto: Garanhuns, PE - Catedral de Santo Antônio - Década de 1920.

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Datafolha confirma vitória de Lula em primeiro turno com 47% contra 41% dos rivais


A pesquisa Datafolha, divulgada nesta quinta-feira (23), mostrou  o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 19 pontos de vantagem sobre Jair Bolsonaro (PL). O petista atingiu 47% das intenções de voto no primeiro turno, contra 28% do seu adversário na pesquisa estimulada. Ciro Gomes (PDT) alcançou 8%. 

Foram entrevistados 2.556 eleitores em 181 cidades nos dias 22 e 23 de junho. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos. 

A pesquisa, realizada nessa quarta (22) e nesta quinta (23), foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número 09088/2022.

Na pesquisa Datafolha, divulgada em 26 de março, o ex-presidente alcançou 48% dos votos, seguido por Bolsonaro (PL), com 27%, no primeiro turno. Nos votos válidos, Lula atingiu 54% e Bolsonaro, 30%. O petista seria eleito no primeiro turno. 

Na pesquisa de março, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ficou na terceira posição, com 7%. André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB) alcançaram 2% cada. Pablo Marçal (Pros) e Vera Lucia (PSTU) conseguiram 1% cada. 

As outras candidaturas não pontuaram.

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Brasil registra mais de 70 mil novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas


O Brasil registrou 176 novas mortes pela covid-19 nesta quarta-feira, 22. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 124, mas alguns Estados tiveram problema para fazer os registros.

Nesta quarta, o número de novas infecções notificadas foi de 70.285. No total, o Brasil tem 669.612 mortos e 31.894.505 casos da doença. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 30.532.868 pessoas estão recuperadas.

O Estado de São Paulo não registrou mortes por coronavírus nesta quarta, assim como outros X Estados. O Rio de Janeiro teve 45 óbitos, seguido por Goiás (31), Paraná (26), SAnta Catarina (16) e Rio Grande do Norte (11). Já a Paraíba alegou instabilidade no sistema do Ministério da Saúde e não divulgou números. "A Secretaria de Estado da Saúde informa que, devido à indisponibilidade dos sistemas de informação do Ministério da Saúde, não haverá atualização de dados da covid-19 nesta quarta (22)."

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Nesta quarta, o Ministério da Saúde informou que foram registrados 71.906 novos casos e mais 140 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 31.890.733 pessoas infectadas e 669.530 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Fonte: Notícias ao Minuto

Programa de governo Lula-Alckmin recebe mais de 2 mil sugestões em 24 horas

Geraldo Alckmin e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

A plataforma de participação popular do programa de governo da chapa Lula-Alckmin, "Juntos pelo Brasil", recebeu mais de 2 mil sugestões no primeiro dia de funcionando. Temas como energia, sustentabilidade, combate à fome, distribuição de renda, controle da inflação, geração de emprego e educação são, até agora, os mais populares. Nas primeiras 24h, a plataforma www.programajuntospelobrasil.com.br, que ficará aberta por cerca de 30 dias, recebeu mais de 50 mil visitas e foram realizados mais de 5 mil downloads do documento completo de Diretrizes para Programa de Reconstrução e Transformação do Brasil.

Construído a partir de um entendimento dos sete partidos que compõe a coligação (PT, PSB, PCdoB, PSOL, REDE, PV e SOLIDARIEDADE), o documento de diretrizes foi apresentado ao povo brasileiro nessa terça-feira (21). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou nesta terça a importância da participação da sociedade na definição das políticas. 

De acordo com a chapa, as diretrizes – que destacam a urgência do combate à fome e à pobreza; a retomada do investimento para gerar crescimento e emprego; o combate à inflação e a redução do custo de vida; a defesa da Amazônia, o respeito às leis ambientais e a proteção dos povos indígenas; além da defesa da democracia, da justiça, da paz, da soberania e da reinserção do Brasil no mundo – serão a base do programa de governo.

"Vamos ter que construir a casa ao longo do tempo, ouvindo as pessoas através da plataforma, mas, principalmente, executando as políticas que quisermos, se ganharmos as eleições. (…) Vamos ter que ter os tijolos dessa parede que significam acabar com a fome outra vez nesse país. Vamos ter que ter os tijolos que significam aumentar o salário mínimo, e vamos construindo, tijolo por tijolo, até chegar na cobertura da casa que é o material da soberania", disse Lula.

O coordenador do programa de governo, o ex-ministro Aloizio Mercadante, discursou no mesmo sentido. "É um processo em que nós queremos ouvir a sociedade. Isso é a cara da história do presidente Lula, do governo Lula, do governo Dilma e da história que nós representamos nesse momento. Nosso programa de governo não é coisa só de técnicos, acadêmicos, de cima para baixo. Ninguém está aqui para escrever um livro e achar que aquilo resolve. Estamos construindo, é um trabalho de engenharia política", declarou.

Juntos pelo Brasil

A plataforma  "Juntos pelo Brasil"  permite o envio de sugestões e a realização  de debates, fóruns, discussão e consultas. Possui um canal de organização para a participação dos comitês populares e organizações dos movimentos populares.

A chapa também afirmou que serão abertas mesas de diálogo para avançar no debate com entidades nacionais que já se articularam para encaminhar propostas ao plano de governo e aprofundar as formulações.

Ao final desse processo participativo, a candidatura Lula-Alckmin espera entregará um programa de governo.

Fonte: Brasil 247

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Pernambuco confirma 2.417 casos de Covid em dia com maior total de infectados em mais de três meses

Portal Folha de Pernambuco

O boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) notificou, nesta quarta-feira (22), mais 2.417 casos de Covid-19 em Pernambuco. É o maior total registrado em um único dia desde 18 de março, quando foram contabilizados 2.620 casos.

Entre os confirmados nesta quarta-feira, 15 (0,6%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e os demais 2.402 (99,4%) são leves.

Com a atualização, Pernambuco passou dos 960 mil casos da doença e agora acumula  960.890 infecções, sendo 58.770 graves e 902.120 leves.

O boletim também contabiliza seis mortes por Covid-19, ocorridas entre 17 de outubro de 2020 e essa terça-feira (21). O Estado agora totaliza 21.826 óbitos pela doença. 

De onde vem o que eu como: banana tem família e até coração


Por Vivian Souza e Marcelo Brandt, g1

A bananeira tem mais semelhanças com a gente do que se pode imaginar: ela tem família, coração e pode até "andar".

Essas foram algumas das curiosidades que o g1 encontrou refazendo o caminho da banana partindo da feira, em São Paulo, até o local onde ela foi plantada, no Vale do Ribeira, no interior do estado. É a nova temporada da série quinzenal De onde vem o que eu como.

Mais curiosidades sobre a banana

Sem semente - quem gosta de comer banana sabe que ela não tem sementes. Mas, na realidade, antes de serem domesticadas, elas tinham. Porém, essa variedade da fruta, com sementes, não tem um consumo muito fácil, então as sem sementes foram sendo selecionadas ao longo dos séculos e hoje são maioria, explica Edson Nomura, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Por isso, diferente de outras frutas, como a laranja, a banana não usa sementes para se reproduzir.

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Amado Batista pede desculpas na Justiça por ofensas a Lula e família

Blog do Magno Martins

O cantor Amado Batista pediu desculpas ao filho do ex-presidente Lula (PT) e empresário Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, depois de ser alvo de uma queixa-crime por injúria. Os dois entraram em acordo, nesta semana, perante o Tribunal de Justiça de Pernambuco. No ano passado, em entrevista ao programa "Frente a Frente", ancorado por este blogueiro (Magno Martins) e transmitido pela Rede Nordeste de Rádio, Amado Batista disse que tanto Lula quanto seus filhos praticaram roubo durante os governos petistas.

Na ocasião, Amado Batista também insinuou que um dos filhos de Lula seria latifundiário. "É só ir pro Pará, lá pro Mato Grosso, para vocês verem. Ao vivo e a cores", afirmou. Em sua retratação, o cantor pede desculpas a Lulinha por atribuir a ele "graves ofensas" e por suas afirmações equivocadas de que o empresário "teria enriquecido de forma ilícita".

"Apesar de ter dito que Fábio Luís Lula da Silva seria latifundiário e dono de cabeças de gado no Mato Grosso e no Pará, reconheço que essa Informação chegou ao meu conhecimento a partir de meros boatos irresponsavelmente difundidos na sociedade", afirma Amado Batista.

Por causa do acordo entre Amado Batista e Lulinha que resultou no pedido público de desculpas, a punição pelo crime de injúria foi extinta. O Ministério Público também endossou a extinção da punibilidade e se manifestou pelo arquivamento.

*Com informações da Folha de São Paulo

terça-feira, 21 de junho de 2022

Cientistas identificam nova espécie de barbeiro


Cientistas liderados por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) descobriram uma nova espécie de barbeiro, que também é capaz de transmitir o protozoário Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas. A amostra que permitiu a descoberta foi coletada em 2004 na região de La Paz, capital da Bolívia.

A identificação da espécie, batizada de Panstrongylus noireaui, ocorreu após um estudo da Universidade da República do Uruguai ter constatado diferenças genéticas e moleculares de espécimes que até então estavam descritos como da espécie Panstrongylus rufotuberculatus, já conhecida pela comunidade científica. Ambas pertencem à subfamília dos triatomíneos, insetos popularmente conhecidos como barbeiros.

Apesar de as duas espécies serem muito parecidas, após a análise genética foi realizada uma observação mais detalhada em que foi possível perceber também uma pequena distinção nas genitálias dos exemplares machos.

O chefe do Laboratório Nacional e Internacional de Referência em Taxonomia de Triatomíneos do IOC, Cleber Galvão, explicou que, por ser muito pequena, a diferença só se tornou visível após uma dissecção dos espécimes. "Podemos dizer que elas são espécies irmãs, que em algum momento tiveram um ancestral comum".

A escolha do nome da nova espécie presta homenagem ao pesquisador francês François Noireau, que morreu em 2011. Segundo a Fiocruz, Noireau atuou como professor do Institut de Recherche Pour Le Développement, na França, e colaborou em diversas atividades no estudo de insetos no IOC.

A descoberta foi publicada em um artigo no periódico científico Zookeys. Participaram da identificação Hélcio Reinaldo Gil Santana, do Laboratório de Diptera do IOC; Tamara Chavez, do Instituto Nacional de Laboratórios de Saúde da Bolívia, e Sebastián Pita e Francisco Panzera, ambos da Universidade da República do Uruguai. (Fonte: Agência Brasil).

Mãe Beth de Oxum: a primeira ialorixá eleita Patrimônio Vivo de Pernambuco


Ialorixá, comunicadora, ativista, artista, mestra da cultura popular. Nascida na antiga maternidade da Praça do Carmo, em Olinda, Maria Elizabeth Santiago de Oliveira atua, há décadas, em várias frentes de luta. No dia 12 de agosto de 2021, Mãe Beth de Oxum, como é mais conhecida, teve essa atuação reconhecida ao ser anunciada como Patrimônio Vivo de Pernambuco.

“O sentimento é de que valeu a pena. Esse título representa um sopro de esperança neste país que é plural, mestiço, onde mais de 50% da população é negra e que não cabe numa caixa fundamentalista”, pontua Beth de Oxum. Há mais de 30 anos, ela está à frente do Ponto de Cultura Coco de Umbigada, no bairro de Guadalupe, em Olinda. O local também abriga o terreiro Ilê Axé Oxum Karê.

“Em um País onde ministros são escolhidos e empossados por serem ‘terrivelmente evangélicos’, Pernambuco reconhecer, pela primeira vez, uma ialorixá, uma mulher negra, afrodescendente, como Patrimônio Vivo é um sopro de esperança”, ressalta.

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Inverno começa hoje e deve sofrer influência do La Niña

Período mais frio do ano, o inverno começa hoje (21) às 6h14 no Hemisfério Sul. A expectativa do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de três meses com chuvas acima da média nas regiões Norte e Nordeste, devido ao fenômeno La Niña. A estação termina em 22 de setembro, às 22h04 (horário de Brasília). 

Oposto ao El Niño, o fenômeno La Niña se caracteriza principalmente pelo registro de temperaturas abaixo da média na superfície da parte do Oceano Pacífico que fica próxima à Linha do Equador, o que afeta o clima na América do Sul. No Brasil, entre os efeitos mais comuns está o aumento da precipitação e da vazão dos rios no Norte e a redução das chuvas na Região Sul.

Além de mais chuvas, o Inmet prevê que a Região Norte terá temperaturas mais elevadas. As exceções são o sul do Pará e de Tocantins, onde o clima mais quente deve ser acompanhado de chuvas abaixo da média, o que aumenta as chances de incêndios florestais no sul da Amazônia.   

Na região Centro-Oeste, massas de ar seco e quente também devem favorecer incêndios florestais principalmente nos meses de agosto e setembro. O inverno deve intensificar o período seco, e a tendência é de diminuição da umidade relativa do ar nos próximos meses, com valores diários que podem ficar abaixo de 30%, e picos mínimos abaixo de 20%.

Tempo seco

O tempo mais seco que a média deve marcar o inverno na Região Sul, além de temperaturas próximas e abaixo da média com a chegada de massas de ar polar, principalmente entre julho e agosto. O oeste desses três estados, porém, pode ter chuvas acima da média, e o norte do Paraná deve ter um inverno mais quente que o de costume.

No Nordeste, as chuvas acima da média devem incidir sobre o litoral, enquanto no oeste da Bahia e no sul do Piauí e do Maranhão as precipitações poderão ser próximas da média. O La Niña também deve forçar as temperaturas a um patamar próximo ou acima da média em grande parte da região.

O Sudeste pode ter chuvas ligeiramente abaixo da média, mas a passagem de frentes frias deve continuar a causar chuvas no litoral. Sobre a temperatura, a previsão é que permaneça acima da média, mas massas de ar polar podem determinar a formação de geadas em regiões de altitudes elevadas.

Fonte: Agência Brasil

segunda-feira, 20 de junho de 2022

Pernambuco ganha faculdade de referência em cursos de pós-graduação médica, com atendimento gratuito à população

Maior polo médico do Norte e Nordeste, com grande concentração de hospitais, clínicas e centros de diagnósticos, o Recife recebe a mais nova unidade do Instituto de Pesquisa e Ensino Médico (IPEMED). Integrante do Grupo Afya, maior ecossistema de educação médica e healthtechs do Brasil, o instituto está presente em 11 capitais brasileiras. Em Pernambuco, a companhia também está à frente da Faculdade de Medicina de Garanhuns (FAMEG). Agora, a expectativa é oferecer educação continuada para médicos do interior do Estado, com foco especial para o Agreste.

O IPEMED Recife oferece educação continuada para médicos nas áreas de dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, geriatria, nutrologia, reumatologia e psiquiatria, com previsão de mais três novas pós-graduações até o fim deste ano. O instituto iniciou as atividades ano passado, mas a inauguração oficial do espaço acontece no próximo dia 29 de junho.

Diretor de educação continuada do IPEMED, André Raeli está otimista com a desembarque na capital pernambucana. “Pernambuco é um centro de referência na área médica, por isso trouxemos o que há de mais inovador, com metodologias diferenciadas e infraestrutura de ponta para oferecer cursos e especializações médicas de excelência”, explica.

Situado na Avenida Engenheiro Domingos Ferreira, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, o instituto ocupa uma área de 3 mil m². Com aporte de R$ 2 milhões, a nova sede conta com 23 ambulatórios para atendimento à população, dez salas de aula, sala de procedimentos, área de alimentação e descompressão, auditório e rooftop.

A pós-graduação é realizada em módulos presenciais, com aulas um final de semana por mês. A unidade do Recife já recebe alunos da Região Metropolitana, interior e de estados vizinhos, como Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte. Também há alunos de outras regiões, como do Tocantins e do Pará. “Nossa meta é gerar um impacto social relevante e formar médicos que possam prestar atendimentos especializados à população. Estima-se hoje que cerca de 40% dos médicos são generalistas, o que se reflete na escassez de profissionais especializados em alguns municípios”, explica Raeli. Com a chegada da nova sede no Recife, a meta é minimizar esse desequilíbrio.

No Brasil, o IPEMED tem unidades em Fortaleza, Salvador, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Goiânia, Brasília e Manaus. Os médicos encontram cursos com certificação lato sensu, além de formatos de curta duração, aperfeiçoamento e fellowships.

ATENDIMENTOS PELO SUS

Com objetivo de viabilizar atendimento qualificado e especializado para a população, o IPEMED firmou parceria com 13 municípios pernambucanos e recebe pacientes para serem atendidos por médicos pós-graduandos que atendem a especialidades com alta demanda e uma longa fila de espera no Sistema Público de Saúde (SUS).

A sede no Recife atende pacientes de Jaboatão dos Guararapes, Itaquitinga, São Vicente Ferrer, Itamaracá, Bodocó, Belo Jardim, Macaparana, Alagoinhas, Araçoiaba, Passira, Amaraji, Sanharó, Lagoa do Carro, Lagoa do Ouro e Tracunhaém. 

O atendimento é gratuito e acontece a partir de convênios firmados com as secretarias municipais de saúde. A faculdade também realiza agendamento de consulta pelo WhatsApp (81) 98593-1162, mas para isso o paciente precisa ter o encaminhamento médico. O atendimento é sempre às sextas e sábados. Mais de 3 mil pessoas já foram atendidas pelos alunos do instituto.

A diretora do IPEMED Recife, Viviane Ferrão, destaca que o papel do instituto é preparar os médicos por meio de cursos de pós-graduação altamente qualificados e da prática intensiva. “Nosso objetivo é apoiar as prefeituras com os atendimentos dos médicos pós-graduandos, cobrindo parte da demanda que não é absorvida pelo SUS. As parcerias firmadas pela faculdade com as prefeituras se tornam uma alternativa para o atendimento gratuito em saúde. Neste modelo, todos ganham: prefeitura, população e os nossos estudantes”, afirma.

AURORAL


João Marques | Garanhuns

Volve o sol perto de casa

a roseira que minha esposa deixou

plantada na palma e no vento

clave da fala de Homero

de traços livres e vibrantes

e da celebração do simples


tenho o rosto do primeiro homem

de olhos e de cabelos de luz

manhãs novas e os beija-flores

caindo serenos do azul

amanhecendo os montes

substantivos e sensíveis

do gozo dos seres


no sétimo dia do descanso dos elementos

e da alegria das bodas e do mel

as aves cantam, incrivelmente cantam

com as falas da natureza

e compõem a alma

dos homens de pedra e flores.

Marília Arraes confirma o nome de Sebastião Oliveira para candidato a vice-governador


Por Elizabeth Souza

A pré-candidata ao governo de Pernambuco Marília Arraes (SD) confirmou, neste domingo, o nome do deputado federal Sebastião Oliveira (Avante) para ocupar a vaga da vice em sua chapa. O anúncio foi feito, neste domingo, durante coletiva de imprensa no Hotel São Cristóvão, em Serra Talhada. O episódio encerra a temporada do Avante na Frente Popular - arco de alianças liderado pelo PSB em Pernambuco -, sendo a segunda legenda a desembarcar do grupo para apoiar a candidatura da ex-petista, a primeira foi o PSD.

Com a apresentação do nome de Sebastião Oliveira, a chapa de Marília Arraes é a primeira - dentre as outras que também disputam o governo - com o nome de todos os pré-candidatos definidos. Tendo cinco anos no Legislativo, três enquanto deputado estadual e dois como federal, Sebá teceu diversas críticas à gestão do PSB e prometeu comprometimento com o Sertão do estado.

Fonte: Diario de Pernambuco

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Esquerda tem vitória histórica e Gustavo Petro é o novo presidente da Colômbia


Num dia tenso de eleições, com denúncias de possível fraude na contagem dos votos, a esquerda teve uma vitória histórica na Colômbia neste domingo (19). 

Gustavo Petro e Francia Márquez, candidatos do Pacto Histórico, derrotaram, com 50,88% dos votos, Rodolfo Hernández e Marelen Castillo, da chapa de direita Liga Anticorrupção, que teve 46,85%, num cenário com 94,57% das urnas apuradas.

O novo presidente tomará posse no dia 7 de agosto. O segundo turno registrou participação de 57,2% da população, superando o percentual do primeiro turno.

Logo após a divulgação do resultado, Petro comentou em suas redes sociais: "Hoje é um dia de festa para o povo. Que festeje a primeira vitória popular. Que tantos sofrimentos sejam absorvidos pela alegria que hoje inunda o coração da pátria. Essa vitória é para Deus e para o povo e sua história. Hoje é o dia das ruas e das praças".

"Foi um êxito para a democracia colombiana e para o poder eleitoral", disse o chefe do Registro Civil Nacional, Alexander Vega Rocha.

O resultado oficial, no entanto, será oferecido durante a semana. Uma nova contagem seria iniciada na próxima terça-feira (21).

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Mario Helio lança o livro “A história íntima de Gilberto Freyre”

Jornalista e escritor, Mario Helio Gomes lança, na próxima terça-feira (21), a partir das 18h, o livro “A história íntima de Gilberto Freyre”, na Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre (Rua Jorge Tasso Neto, s/n, Apipucos, 1º portão), antiga residência do casal, que volta a receber visitantes depois de ficar fechada por dois anos. Editada pela Cepe Editora, a publicação não se trata de uma biografia, mas de um mergulho na obra do intelectual “que considerava a intimidade necessária como veículo para a verdade histórica”, esclarece o autor da obra.

Logo nas primeiras páginas, Mario Helio remete o leitor ao Recife do século 19 e início do 20, com a reprodução de anúncios publicados em jornais para noticiar fuga de escravos, comércio de sítios para moradia na Estrada dos Aflitos, aluguel de amas de leite e transformações na cidade. Esse ambiente rural e de escravidão, avalia o escritor, vai influenciar a vida e a obra de Gilberto Freyre, o famoso historiador e sociólogo pernambucano, nascido em 15 de março de 1900, na citada Estrada dos Aflitos, atual Avenida Conselheiro Rosa e Silva, no alvorecer do século 20.

“História íntima é uma expressão dos escritores franceses Jules (1830-1870) e Edmond de Goncourt (1822-1896) que, por assim dizer, norteou a concepção de história do jovem Gilberto Freyre e da qual não se separou, na prática, ao longo de toda a vida. Consiste em encontrar as camadas mais ocultas e secretas da história, inclusive as mais indiscretas”, explica Mario Helio, doutor em antropologia pela Universidade de Salamanca, na Espanha.

O título provocativo do livro diz muito sobre o sociólogo. “A ambiguidade reforça algo muito característico em Gilberto: é uma história sem intimidações, ou seja, ele não receia em usar a primeira pessoa e ser mais um personagem da história, pois o seu primeiro trabalho intelectual de fôlego – a dissertação de mestrado – foi uma tentativa de compreender o Brasil do tempo dos seus avós – e Casa-Grande & Senzala teve a ambição de ser uma espécie de autobiografia do Brasil. Sim, a expressão é desse jeito mesmo: não mera ‘biografia’ do Brasil, mas ‘autobiografia’ do país e dele, com sua história, inserido na História. Melhor ainda é a definição dele que está na afirmação de Lúcio Cardoso (escritor): ele sabia como nenhum outro inaugurar uma intimidade”, afirma.

Essa relação parcial e apaixonada pela história é narrada pelo autor a partir de uma leitura crítica da produção intelectual de Gilberto Freyre, desde a adolescência. Com 492 páginas, o livro tem origem na dissertação de mestrado em história defendida por Mario Helio na Universidade Federal de Pernambuco, em 1994. “É um desdobramento sem ser uma continuação”, informa. Ele apresenta um Gilberto Freyre romancista, com Dona Sinhá e o Filho Padre e O Outro Amor de Doutor Paulo, e mostra como esses títulos não estão distantes do sociólogo, antropólogo e historiador que aborda a escravidão em Casa-Grande & Senzala, Sobrados e Mucambos e Ordem e Progresso.

No romance e na não ficção, o sociólogo perseguia a verdade histórica, reforça o escritor. Ao ser questionado se esse seria o motivo pelo qual a produção de Gilberto Freyre desperta interesse ainda hoje, Mario Helio responde: “Essa é uma das razões, sim. Não esquecer, porém, de que a busca da verdade num escritor não é maior do que o interesse estético, da imaginação e da linguagem, do vigor e do frescor e certo ar de atemporalidade são feitos os grandes autores, e Freyre é um desses no mundo ibero-americano.”

Para produzir A história íntima de Gilberto Freyre, o jornalista também se debruçou sobre o diário da juventude do sociólogo, que morreu em 1987. “Sexo é uma das palavras mais repetidas no seu diário íntimo e em Casa-Grande & Senzala. Tal importância tinha em sua mente que serve como metáfora da relação do leitor com os livros”, relata no livro.

Serviço

Lançamento do livro “A história íntima de Gilberto Freyre” – Mario Helio

Quando: 21 de junho de 2022 (terça-feira), às 18h

Local: Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre (Rua Jorge Tasso Neto, s/n, Apipucos, 1º portão)

Preço do livro: R$ 90 (impresso) e R$ 36 (e-book)

Fonte: Secult/PE

domingo, 19 de junho de 2022

A marca dos Thompson no Colégio Quinze de Novembro

Marcílio Reinaux*

Em 1910 o Colégio Quinze já completava a sua primeira década de existência, desde a sua antiga Escola Paroquial Evangélica de Garanhuns. Nele já trabalhavam o casal Martha e George Henderlite. Jerônimo Gueiros, Cecília Rodrigues e Soriano Furtado, além de outros colaboradores que aos poucos iam surgindo, muitos dos quais primeiros alunos como o caso dos acima citados. A chegada aos trabalhos dos  mais variados, dona Martha Henderlite não esconderia a sua alegria ao ver um novo casal de missionários, seus conterrâneos, chegar para o trabalho missionário e igualmente para o trabalho do magistério no colégio. Eram o Dr. William Thompson (foto) e sua esposa dona Catarina C. Thompson. O rumo dado ao Colégio Quinze pelos seus primeiros professores, dirigentes, funcionários com a participação de alunos, haveria de ser continuado com os Thompson.

De pronto Garanhuns começou a conhecer a personalidade marcante do Dr. Thompson. Seu caráter e sua justiça, espelhados numa conduta de personalidade irrepreensível tornara-se, com o passar dos tempos, referencias proverbiais. O Dr. Thompson tinha um amor à pontualidade  era cumpridor dos seus deveres e obrigações, como dificilmente se poderia encontrar uma pessoa assim. No que respeita à sua pontualidade em tudo que fazia e em tudo que marcava, surgiram histórias popularescas em Garanhuns, diante de tais características singulares. Chegava ao ponto de algumas pessoas que moravam nas proximidades da residência do casal Thompson, marcar as horas quando da passagem do mesmo todo dia, exatamente no mesmo horário. Diziam alguns: "Faltam 15 minutos para às oito horas, porque o Dr. Thompson já vai para o Colégio". Outros, residentes na então tradicional e muito conhecida Rua do Recife (a Rua da minha infância), hoje Dr. José Mariano diziam: "São 4 horas da tarde. Dr. Thompson já vai passando para o correio". É verdade. Para o correio Dr. Thompson ia diariamente às quatro da tarde  para apanhar na Caixa Postal nº 15 as suas correspondências e colocar no correio aquelas que enviava aos muitos amigos, parentes e autoridades da Missão Presbiteriana nos Estados Unidos. Tinha uma larga atividade, com a correspondência do  Colégio e sua em particular. Jamais deixou segundo informavam os seus contemporâneos de responder uma carta, de quem quer que fosse.

Chegando a Garanhuns em 1910, Dr. Thompson não assumiria logo a direção do educandário que permaneceria com o Dr. George Henderlite. Ele sim, com Dona Catarina assumiram parte das aulas, ministrando algumas. A especialidade contudo do mestre era a matemática. Dona Catarina era educadora por formação. Muitas vezes foi mal compreendida pela sua franqueza que era extraordinária, quando se referia a pessoas ou fatos. "Não tinha", como se diz-se hoje no adágio popularesco, "papas-na-língua". Em contrapartida, seus alunos eram unânimes em afirmar que ela era extremamente caridosa. Dona Cecília Rodrigues de Siqueira, durante o período de alguns tornou-se diretora do Quinze até 1914. A partir de então o Dr. Thompson assume a direção permanecendo com este encargo até 1921.

Um dos dois filhos do Dr. Thompson, (um faleceu na guerra), Franklin casou-se em Garanhuns com Ruth Furtado Gueiros, filha do Reverendo Antônio Gueiros, um dos grandes nomes do evangelismo presbiteriano no Brasil.

*Advogado, escritor, pintor e historiador.   

Bloco das Vitalinas no antigo carnaval de Garanhuns


Dr. José Francisco de Souza*

Época em que não se cogitava de concentração de ordem econômica. Nem títulos pomposos regiamente pagos por representantes das multinacionais. Tudo acontecia de acordo com o  resultado das prévias e planos estabelecidos. Grupos de pessoas se preparavam no sentido de proporcionar meios necessários ao brilho das competições carnavalescas. Agir no presente era a  missão de todos.

O carnaval sempre empolgou a alma das multidões. Durante o período momesco desfilavam pelas ruas da nossa encantadora cidade do planalto, vários clubes e blocos. Homens altamente categorizados do  nosso comércio dirigiam sociedades destinadas às festividades populares. Essas comunidades intermediárias plasmavam livremente o seu próprio destino. Era uma arregimentação de forças convocando a alma rebelde das ruas. O entusiasmo era contagiante.

Era muito significativo o  número dos cordões, troças, pequenos e grandes estandartes ricamente confeccionados. O porta-bandeira bem vestido destacava-se pela sua indumentária conduzindo garbosamente o pavilhão do bloco. Marchava na linha de frente. Não precisava de abre-alas, por que o carnaval era participação de todas as correntes humanas que possuíam raízes e tradições. Orquestras famosas tocavam marchas saudosas como símbolo dos nossos antigos carnavais. O entrudo era praticado com certo respeito: massa, lima de cheiro e bisnaga, cujo esguicho d'água aromatizada perfumava os  passistas. Todos brincavam cada um a seu modo e de  acordo com o seu mundo. Era a massificação da alegria dominando a alma de  um povo.

Na noite da véspera de  carnaval todos se uniam como um só clube conduzidos por grandes orquestras. As  ruas ficavam cheias de  músicas, de risos e alegria. O  prazer era jovial. Zé Pereira tomava conta da cidade. Homens de máscaras, figuras grotescas se revezavam exibindo suas excentricidades. Esses mascarados eram chamados de "papangus". Alguns eram conhecidos pela maneira de  andar. Assim era variada a  maneira de alegrar o povo.

Muitos clubes existiam  em Garanhuns: "Leão do Norte", "Lenhadores", Tanoeiros", dos "Ciclistas", a "Primavera", "Vinte e um  de Fevereiro" e a "Cabinda Velha", este era um grupo do tradicional "Maracatu", já em franca decadência. Era de uns senhores  representado por Antônio Três Quinas. 

Desfilavam com pequena orquestra de percussão, vestígio dos séquitos negros que acompanhavam os reis de Congo.

Entre os mais próximos de nós, destacamos as "VITALINAS". Bloco carnavalesco muito festejado pelos jovens do nosso tempo. Moças e rapazes da nossa sociedade participavam das  "VITALINAS". Figuras de  destaque da nossa comunidade apresentavam-se condignamente.

Convocava toda atenção da mocidade desde os momentos dos ensaios até os  dias consagrados ao Momo. Formavam-se duas alas de  jovens bonitas e graciosas. Bem vestidas, por fantasias cuidadosamente trabalhadas, havia muito bom gosto nas apresentações. Orquestra composta de bons músicos. As canções eram cantadas pelos integrantes do bloco. Por sinal muito bem interpretadas. Como se  fosse um "samba enredo" a  letra começava assim: "Vitalina meu amor / alerta e vamos gozar / o carnaval oh! linda flor / vamos brincar / Vitalina meu amor".

Todo homem é capaz de  sentir e despertar emoções. Quem cantava essa melodia era um mulato muito comunicativo, boêmio e seresteiro incorrigível: "Luiz Patrão". Possuía uma voz  muito parecida com a de Francisco Alves. Voz suave entre grave e barítono.

Todavia, é de se notar, a maneira carinhosa e sentimental da inspiração do poeta, do menestrel: "Vitalina meu amor"... Alerta e vamos gozar... O carnaval oh! linda flor... vamos brincar Vitalina meu amor"... Mesmo no meio da confusão de sentimentos, destacava-se de modo marcante a linguagem dulcíssima do verso. A máscara irreverente do carnaval não consegue transformar a beleza nem a pureza dos sentimentos poéticos.

*Advogado, jornalista e historiador / Garanhuns, 2 de Fevereiro de 1980.

Foto: Banda de Pífanos na década de 1950 - Em cima da esquerda para direita: Zé Catão de paletó escuro, Manoel Teles, Pedro Ferreira, Ivan Pedrosa, Cláudio Moraes, Dr. Jeitoso "O Filósofo", Pedrosinha, Humberto Moraes, Zé dos Coros. Foto tirada em frente ao Café Avenida (Mirabô), ao fundo prédio dos Correios. Hoje Ferreira Costa Center.

sábado, 18 de junho de 2022

Cantor Dominguinhos agraciado com a Medalha Monsenhor Adelmar da Mota Valença


Simão Silva*

Na abertura do XI Festival de Inverno (2001), o cantor garanhuense Dominguinhos, foi homenageado pela Câmara Municipal de Garanhuns, com a Medalha de Honra ao Mérito Monsenhor Adelmar da Mota Valença. O projeto foi do vereador Luiz Taveira de Melo, que teve a aprovação dos 15 parlamentares da Casa Raimundo de Morais. A  Medalha Monsenhor Adelmar da Mota Valença foi criada pelo vereador Paulo Gomes, para homenagear as pessoas que de alguma forma têm serviços prestados a Garanhuns, como foi o caso de Dominguinhos, que além de ser filho da terra, sempre fez questão de divulgar a nossa cidade, isto desde que foi embora para o Rio de Janeiro, quando ainda era apenas um garoto. Dominguinhos, que completava 50 anos de carreira, recebeu a comenda no palco, quando se apresentava ao lado de mais de 100 forrozeiros que o homenageavam. A comissão de vereadores que entregou a medalha ao artista estava assim formada: João Inocêncio (Presidente da Câmara); Daniel da Silva; Givaldo Calado de Freitas; Josmar Brandão da Silva (Mazinho); Sônia Maria Moreno de Lima; Aldemiro de Medeiros Aquino e o autor do projeto Luiz Taveira de Melo. Na oportunidade, Luiz Taveira leu o discurso que enaltecia o amor de Dominguinhos  por sua terra Natal.

Após a entrega, ele foi aplaudido por mais de 10 mil pessoas que superlotavam a Praça Guadalajara. Ao agradecer a comenda, Dominguinhos o fez em seu nome e em nome do maior forrozeiro do Brasil, de quem foi apadrinhado e é seguidor: o "rei do baião" Luiz Gonzaga.

As pessoas que estavam na praça tiveram a felicidade de assistir o homenageado cantando ao lado de 100 sanfoneiros, entre eles: Genaro, Camarão, Waldonys, Terezinha do Acordeon, Renato Borghetti, entre outros, que formaram uma verdadeira orquestra sinfônica. 

Fonte: Jornal Imprensa do Agreste, Garanhuns, julho de 2001.

*Jornalista, radialista e historiador.

Foto: Momento em que o vereador Luiz Taveira saudava o garanhunense Dominguinhos / Foto: Robson Ferreira.

História de Garanhuns

Uma garanhuense trucidada pela ditadura militar - Ranúsia Alves Rodrigues (1945-1973) - Nasceu em Garanhuns e mais tarde migrou para Recife, a fim de cursar Enfermagem, na Universidade, passou a se envolver com o movimento estudantil, integrando o Diretório Acadêmico. Em seguida, se filiou ao PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário). Adotou os pseudônimos de "Olívia", "Florinda" e "Nuce", para atuar na clandestinidade. Nesse período, engravidou. Teve uma filha, de nome Vanúsia. Os pais de Ranúsia não eram de acordo com as aventuras políticas da filha.

Assim, mesmo sabendo que seria arriscado a filha cuidar de uma criança em paralelo com a vida de militante, não quiseram assumir a neta, que então foi submetida aos cuidados de Almerinda de Aquino, uma empregada da família.

No ano de 1968, quando participava do 30º Congresso da UNE, Ranúsia foi detida pelos militares em Ibiúna(SP). Contudo logo liberada. Nem por isso deixando de continuar sendo ferrenha combatente da ditadura. Anos se passaram e a garanhuense cada vez mais viria a envolver-se de corpo e alma a favor da resistência.

Foi, portanto, no ano de 1973, que Ranúsia levaria a pior, na Praça Sentinela, Jacarepaguá(RJ). Foi assassinada com rajadas de tiro, sem nenhuma piedade. De acordo com o livro "Dos Filhos Deste Solo", Nilmário Miranda e Carlos Tibúrcio relatam a cena: "Chovia na noite de 27 de outubro de 1973, um sábado. Alguns poucos casais escondiam-se da chuva junto do muro do Colégio de Jacarepaguá, no Rio. Por volta das 22 horas, um homem desceu de um Opala e avisou: 'Afastem-se porque a barra vai pesar'. Continuam: "Não ouvimos um gemido, só tiros, o estrondo e a correria dos carros". Vindos de todas as ruas que levam à praça, oito ou nove carros foram chegando, cercando um fusca vermelho de placas AA-6960 e despejando tiros. Depois jogaram um bomba dentro do carro. No final, havia uma mulher morta (Ranúsia) com quatro tiros no rosto e peito e três homens carbonizados".

Em 13 de dezembro de 2016, o Reitor da UFPE Anísio Brasileiro reconhece Ranúsia Alves Rodrigues como aluna do curso de graduação em Enfermagem da UFPE de 1966 a 1968, essa reivindicação feita através do atual Diretório Acadêmico de Enfermagem que leva o nome de Ranúsia Alves -DARA - em suas pautas durante a ocupação de 40 dias do departamento de Enfermagem da UFPE mobilização contra a PEC 55. 

Ranúsia Alves foi rematriculada na UFPE e passa a ser reconhecida como ex aluna. Um feito histórico que contou com a participação de amigos e colegas de turma e do DA da época de Ranúsia, além de sua sobrinha representando os seus familiares. Hoje a chamada por ela é assim respondida. Ranusia Alves? PRESENTE!¹

No livro Dos filhos deste solo, Nilmário Miranda e Carlos Tibúrcio assim registraram o episódio:

Chovia na noite de 27 de outubro de 1973, um sábado. Alguns poucos casais escondiam-se da chuva junto do muro do Colégio de Jacarepaguá, no Rio. Por volta das 22 horas, um homem desceu de um Opala e avisou: “Afastem-se porque a barra vai pesar”. O repórter de Veja (7/11/1973) localizou alguém que testemunhou o significado desse aviso: “Não ouvimos um gemido, só os tiros, o estrondo e a correria dos carros”. [...] Vindos de todas as ruas que levam à praça, oito ou nove carros foram chegando, cercando um fusca vermelho de placa AA 6960 e despejando tiros. Depois jogaram uma bomba dentro do carro. No final, havia uma mulher morta com quatro tiros no rosto e peito e três homens carbonizados. 

Essa mulher era Ranúsia Alves Rodrigues, pernambucana de Garanhuns e estudante de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco. Já havia sido presa uma vez, em Ibiúna (SP), em 1968, quando participava do 30º Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE). Em consequência disso, foi expulsa da universidade pelo Decreto 477, no ano seguinte. 

Vivendo na clandestinidade como militante do PCBR, Ranúsia teve uma filha, chamada Vanúsia. Em outubro de 1972, passou a atuar no Rio de Janeiro. Documentos dos órgãos de segurança do regime militar sustentavam que, em 25 de fevereiro de 1973, ela teria participado da execução do delegado Octávio Gonçalves Moreira Júnior, do DOI-Codi/SP, em Copacabana.

Sua foto e seu nome tinham sido divulgados, erroneamente, como uma das pessoas mortas na chamada Chacina de Quintino, em 29 de março de 1972, no lugar de Maria Regina Lobo Leite de Figueiredo.

Apesar de os quatro militantes estarem perfeitamente identificados, os órgãos de segurança omitiram as mortes de Ramires e Vitorino e enterraram todos sem identificação, como indigentes, no cemitério Ricardo de Albuquerque, no Rio de Janeiro. Em 2 de abril de 1979, seus restos mortais foram transferidos para o ossuário geral e, por volta de 1980 ou 1981, para uma vala clandestina com cerca de 2 mil outras ossadas.

No arquivo do Dops/RJ, foi encontrado um documento do I Exército, de 29 de outubro de 1973, que narra o cerco aos quatro militantes desde o dia 8 do mesmo mês, culminando com a prisão de Ranúsia na manhã do dia 27. O documento inclui o interrogatório e as declarações da militante no DOI-Codi/RJ.

Fontes: http://coletivodegenerovioletaparra.blogspot.com.br/2014/04/ranusia-alves-rodrigues-1945-1973-1.html

(1) - Ana Wládia Silva de Lima

Livro Direito à memória e à verdade: Luta, Substantivo Feminino; mulheres torturadas, desaparecidas e mortas na resistência à ditadura.

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Pedro Sapateiro


Tipo Popular de Garanhuns - Cada um desses tipos populares possuem um motivo específico que determina a sua conduta psicológica. Há uma variedade de elementos e circunstâncias que ensejam a sua passagem pela vida. Antes do impacto sofrido vivia no meio social. O seu comportamento era de um homem honrado e digno de respeito. A triagem que fizemos apontou o seu comportamento exemplar como cidadão afeito ao trabalho.

Era sapateiro e assim vivia com dignidade na terra que lhe servira de berço. A profissão ordenara-lhe o nome: Pedro Sapateiro. Como todo ser humano um dia resolveu completar a sua vida ímpar. E contraiu matrimônio com a mulher que lhe despertara o amor. Ela era bonita de olhos pretos e cheios de esperança. Como postulante do amor buscou a felicidade. O destino lhe fora cruel. Não encontrou a felicidade. Não encontrou o amor do brilho imortal do sol que a vista ofusca e faz o musgo nascer sobre a aridez da pedra... A mulher que escolheu para sua esposa traiu a fidelidade conjugal e manchou o seu coração pelo lodo do adultério. Foi o desabar tremendo de todas as suas esperanças. A vida para ele agora, era uma agonia dolorosa. Criatura simples, sem letras, sem ilustração. Buscou refúgio para sua alma ferida e não encontrou. Ficara enfermo das faculdades mentais e como louco fora interno num hospital.

De lá voltara, tempos depois muito pior. Enlouquecera de verdade e vagava pelas nossas ruas sem destino. E, tocando num pedaço de ferro velho, que o levantava acima de sua cabeça proclamava a sua angústia. A tragédia de seu mundo íntimo por todos os recantos da sua terra, da nossa ingrata Garanhuns.

Dizem que de louco e de poeta  todos nós temos um pouco. No caso em foco, esse conceito se consolidou em toda a sua plenitude. "Pedro Sapateiro", depois de louco desenvolveu a sua vocação poética. Aqui vão alguns  versos de sua autoria que bem revelam a espontaneidade das vibrações do seu "universo em desencanto".

"Judas quando nasceu / não parecia ser gente / no queixo trazia barba / na boca trazia dente / a sina que ele trouxe / foi de um desgraçado / Matou o pai, casou com a mãe / vendeu Deus e morreu enforcado".

Nestes versos há um pouco de complexo de Édipo, na transferência comparativa da traição de que fora vítima com àquela praticada pelo Iscariote contra Cristo. 

Pedro Sapateiro aqui nascera  e viveu em tempos que se perderam no tempo presente. A sua conduta como homem foi um exemplo. Era um profissional competente e considerava-se feliz. Mas, a infidelidade da mulher dos olhos pretos e cheios de esperanças, transformou a sua vida e os instrumentos de sapateiro: num pedaço de ferro velho com que Pedro Sapateiro proclamava pelas ruas da nossa cidade a sua desventura.

A história de Pedro Sapateiro é a mesma da humanidade. O homem nasce, vive um só instante. Enlouquece de amor aqui na terra sem nem alcançar a Canaã dos seus sonhos.

*José Francisco de Souza / Jornalista, advogado e historiador / Garanhuns, 20 de setembro de 1980.

Foto: Garanhuns na década de 1950.

Morre o Padre Edson Viana


É com grande pesar que a Diocese de Garanhuns comunica o falecimento do Padre Edson Viana, que atualmente assumia a função de pároco da paróquia da Santa Mãe de Deus, de Lajedo-PE.

O padre estava internado na UTI do Hospital da Unimed Recife, desde a última segunda-feira, com diagnóstico inicial de leucemia.

O corpo é esperado as 00h na Quadra do Colégio CINDER, em Lajedo, para início do velório, onde terá a Missa de corpo presente, às 10h e logo após seguirá para a Paróquia de São Sebastião, em Garanhuns, que terá outra missa às 15h e em seguida será sepultado no Cemitério São Miguel.

A Diocese de Garanhuns, incluindo as cidades de Lajedo e Garanhuns, está de luto e fiéis manifestam suas homenagens nas redes sociais, com demonstração de carinho e com declarações de que o padre, era muito amado, por seu jeito alegre, humilde e carismático de ser.

No mais, unamo-nos em oração pela sua alma, pedindo aquele que ele tanto amou e anunciou em sua vida, isto é, Cristo Jesus, que o acolha na morada celestial.

Disse-lhe Jesus: “Eu sou a Ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente.” Jo. 11, 25-26

Padre Edson Viana era natural do município de Capoeiras, Pernambuco, onde reside seu pai e outros familiares; atualmente exercia seu sacerdócio na cidade de Lajedo."

Em 1935 Lampião leva pânico aos moradores de Garanhuns

Noites de inquietação e pavor de 26 de maio  a 1º de junho, em Garanhuns, com as notícias de Lampião nas proximidades. De fato, no dia 29 de...